‘Politizam um tratamento e atacam médicos de forma covarde’, diz presidente do Conselho Federal de Medicina

Em entrevista ao programa ‘Os Pingos Nos Is’, Mauro Ribeiro voltou a defender a autonomia médica para prescrever tratamentos contra a Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 13/10/2021 20h25 - Atualizado em 13/10/2021 20h29
Reprodução/Flickr/Conselho Federal de MedicinaMauro Ribeiro é presidente do CFM

O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Ribeiro, criticou nesta quarta-feira, 13, a “politização” do tratamento precoce contra a Covid-19 e o ataque a médicos que o defendem. “Um tratamento médico está sendo totalmente politizado há um ano e meio, e os médicos estão sendo atacados de uma forma covarde por determinados segmentos da população”, disse em entrevista ao programa “Os Pingos Nos Is“, da Jovem Pan. Ribeiro afirmou que recebe “com muita calma e tranquilidade” a possibilidade do senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid-19, pedir o indiciamento dele no relatório final da Comissão. Ele ressaltou que o CFM defende a autonomia dos médicos.

“Nós estamos muito tranquilos e serenos porque a única coisa que o CFM faz é defender a autonomia do médico brasileiro. Autonomia e sigilo do são dois princípios milenares da medicina. Isso não é uma determinação do CFM, é um princípio desde os primórdios da medicina”, afirmou. Ribeiro também criticou a deliberação do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou que Estados e municípios tem autonomia para decidir sobre ações de combate a pandemia e vacinação de adolescentes. “Houve dentro desse processo algumas decisões que se revelaram catastróficas. Decisão do Supremo a gente aceita, mas com muita humildade eu coloco aqui uma crítica. Quando o STF decidiu que as políticas sanitárias em relação à Covid eram de responsabilidade compartilhada entre União, Estados e municípios, a população brasileira paga um preço por isso”, declarou. 

Assista à entrevista completa no programa “Os Pingos Nos Is”: