‘Presidente precisa esperar que o PL seja um PSL sem o S de sabotagem’, diz Fiuza

Comentaristas do programa ‘Os Pingos Nos Is’ analisaram filiação de Bolsonaro ao PL

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2021 20h11
Reprodução/Twitter/@PLnacional_Jair Bolsonaro se filiou ao PL nesta terça-feira

O presidente Jair Bolsonaro se filiou ao PL nesta terça-feira, 30, em cerimônia no centro de eventos Complexo 21, em Brasília. O evento estava prevista para acontecer em 22 de novembro, mas foi adiado após exigências do chefe do Executivo em relação aos Estados, principalmente São Paulo. O mandatário iniciou seu pronunciamento confessando que escolher um partido não foi fácil. “Eu vim do PP e confesso, prezado Valdemar, a decisão não foi fácil. A filiação é como um casamento. Não seremos marido e mulher, seremos uma família”, declarou. “O futuro do Brasil está em nossas mãos. Nós tiramos o Brasil da esquerda. Olhem para onde estávamos indo. Olhem para onde foi certos países como a Venezuela. Nós não queremos isso. Nós temos um bem que está na nossa frente, e não podemos desprezá-lo, achar que ele não vai acabar nunca. É um bem, que é a nossa liberdade”, afirmou Bolsonaro.

Guilherme Fiuza, comentarista do programa “Os Pingos Nos Is“, da Jovem Pan News, afirmou que a experiência de Bolsonaro no PSL, partido ao qual era filiado quando foi eleito à Presidência, foi um fracasso. “O presidente precisa esperar que o PL seja um PSL sem o S de sabotagem”, disse. “O que o presidente precisa desejar agora, e a gente não sabe exatamente como ele está se protegendo dessa questão nos bastidores, mas ele tem que se afastar dessa escumalha que se fantasia de força ideológica. Boa parte desses que ficavam no PSL surfando no bolsonarismo contra a esquerdalha revelaram-se uma direitalha. Hoje estão fazendo a mesma coisa no cenário eleitoral, se juntando com candidatura de Sergio moro ou de Doria”, opinou. 

Assista ao programa “Os Pingos Nos Is” desta terça-feira, 30, na íntegra: