Procurador indicado diz que lista tríplice da PGR ‘traz grandes opções’

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2019 20h14
DivulgaçãoDalloul recebeu 422 votos, Fricheinsen recebeu 423 e Bonsaglia recebeu 478; pequena distância, segundo ele, é sinal de "equilíbrio"

Um dos integrantes da lista tríplice com as sugestões do Ministério Público Federal (MPF) para a indicação do sucessor da procuradora-geral da República Raquel Dodge, o procurador regional Blal Dalloul disse, em entrevista ao programa Os Pingos nos Is da Jovem Pan desta terça-feira (18), que os três nomes apontados são “grandes opções” para o cargo.

“Vejo essa lista bastante forte. Tivemos uma campanha leal, positiva, democrática, somamos muito. Tivemos um comparecimento maciço. Tínhamos 10 candidatos, pelo menos 8 bastante competitivos. É uma grande honra estar ao lado de Luíza Fricheinsen, que tem uma brilhante história na área criminal e de direitos humanos, e de Mário Bonsaglia, que já esteve em outras duas listas. São colegas valiosos, fico muito feliz. A lista traz grandes opções ao presidente à nossa PGR”, declarou.

Dalloul recebeu 422 votos, Fricheinsen recebeu 423 e Bonsaglia recebeu 478. A pequena distância entre os números, segundo ele, é sinal do “equilíbrio” entre os três.

O procurador ainda afirmou que o presidente Jair Bolsonaro tem o direito de não escolher nenhum dos nomes indicados, mas sugeriu que, se o fizesse, prestaria uma “homenagem ao estado democrático”.

“Acho que o presidente acaba de ser eleito em um processo democrático muito bonito. O país precisa alavancar e, para isso, há a necessidade de o MP ter estabilidade. Os procuradores não vão deixar de trabalhar em função de uma escolha à PGR. Mas a instituição tem que ser exemplo de estado democrático. Fizemos uma lista, todos votaram de forma consciente, montamos uma disputa aberta. O presidente tem o direito de escolher, mas acho que faria uma homenagem ao estado democrático.”