Senador Marcos Rogério diz que prisão de Dias na CPI é ‘um grande abuso de autoridade’

Em entrevista ao programa ‘Os Pingos Nos Is’, parlamentar afirmou que decisão do presidente da Comissão, Omar Aziz, é ‘ilegal e arbitrária’

  • Por Jovem Pan
  • 07/07/2021 20h07 - Atualizado em 07/07/2021 22h02
Najara Araujo/Câmara dos DeputadosSenador Marcos Rogério deu entrevista ao programa Os Pingos Nos Is desta quarta-feira

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) falou sobre a prisão do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, em entrevista ao programa os “Pingos Nos Is”, da Jovem Pan, nesta quarta-feira, 7. O parlamentar classificou a decisão do presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), de dar voz de prisão ao ex-servidor, como “um grande abuso de autoridade”. Marcos Rogério afirma que a detenção é “ilegal” e “arbitrária” porque, segundo ele, a Comissão ocorria durante uma votação no plenário, o que o regimento interno proíbe. “Lamentável. O que houve aqui foi um grave caso de abuso de autoridade”, afirmou o senador. “É um julgamento do presidente da CPI e do relator que tem uma narrativa pronta e querem que os depoentes confirmem aquilo que eles estão querendo sustentar em suas teses acusatórias”, completou.

Marcos Rogério informou que pediu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) que revogue o pedido de prisão. Caso não o faça, o senador disse não ter dúvidas que a questão será revisada na instância judicial. Paulo Roberto Dias saiu preso da CPI da Covid-19 acusado de cometer crime de perjúrio, ou seja, mentir sob juramento. Ele negou ter combinado um encontro com Luiz Paulo Dominguetti, representante da Davati Medical Supply. No entanto, áudios obtidos pela CPI colocam a versão em dúvida. “Até agora o que nós temos são apenas narrativas acusatórias. Ainda não encontraram fatos, evidências, provas. Quando as narrativas não são confirmadas por aqueles que vão depor à CPI, fazem o que fizeram hoje”, afirmou Marcos Rogério. “O que a gente vê hoje é um desfile de atrocidades, de abuso de autoridade e de narrativas que não levam a nada”, completou. 

Confira o programa na íntegra: