‘Tempo vai passar e Djokovic entrará para a história como um dos maiores defensores da liberdade’, diz Ana Paula

Tenistas de diferentes nacionalidades saíram em defesa de Novak Djokovic após deportação; programa Os Pingos Nos Is comentou

  • Por Jovem Pan
  • 17/01/2022 18h52 - Atualizado em 17/01/2022 19h39
EFE/EPA/RUNGROJ YONGRIT Djokovic deixou as Olimpíadas de Tóquio sem medalha Novak Djokovic não tomou a vacina contra a Covid-19 e foi deportado

Tenistas de diferentes nacionalidades saíram em defesa de Novak Djokovic após ele ter sido deportado da Austrália. A Justiça australiana rejeitou recurso da defesa do atleta neste domingo, 16, e manteve a suspensão do visto de entrada no país. O sérvio entrou no país sem se vacinar contra a Covid-19 e foi considerado como risco à saúde pública. O americano John Isner manifestou apoio ao tenista nas redes sociais. “Ele é uma lenda absoluta e trouxe tanto bem para milhões ao redor do mundo. Isso não está certo”, escreveu. “Eu sei muito pouco para julgar a situação. O que eu sei é que Novak é sempre o primeiro a defender os jogadores. Mas nenhum de nós o defendeu. Seja forte, Novak”, disse a francesa Alizé Cornet.

Ana Paula Henkel, comentarista do programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan News, também saiu em defesa do atleta. “O tempo vai passar e Djokovic vai entrar para a história como um dos maiores defensores da liberdade em tempos sombrios”, disse. “Eu acredito que Djokovic não esteja mais preocupado em participar desses torneios de tênis. Ele já é um grande campeão. Esses homens entrarão para os livros e para as páginas de história não só como grandes atletas, mas como figuras importantíssimas, como soldados que estão na trincheira da sagrada defesa pela liberdade”, completou. 

Assista ao programa Os Pingos Nos Is desta segunda-feira, 17, na íntegra: