Ouvintes da Jovem Pan fazem “mapa sonoro” de “radares-pegadinha” em SP

  • Por Jovem Pan
  • 21/09/2016 08h32
Radar - REP

Os ouvintes da Jovem Pan começaram nesta semana desenhar um mapa sonoro dos “radares-pegadinhas” de São Paulo.

O clássico acesso da Ponte das Bandeiras para a Marginal do Tietê, por exemplo, já é manjado por quem roda na cidade. Mas foram 375 mil multas em um ano e virou até alvo de inquérito civil do Ministério Público do Estado.

O radar que flagra a invasão de faixas de ônibus na marginal Tietê, perto da ponte da Vila Guilherme, na zona norte, já multou 100 mil motoristas de janeiro a junho. Um a cada 3 minutos.

Esse é um dos campeões da cidade, segundo um levantamento da Jovem Pan com base no portal de informações da própria Prefeitura.

Aqui o mérito do “sucesso” é do posicionamento do radar. Uma “pegadinha” segundo quem passa pelo trecho porque a única placa que indica a proibição está praticamente ao lado do equipamento no sentido Cebolão. E também por esses motivos, o número de multas explodiu.

Em 2015, a cidade bateu recorde: 13 milhões. Mais de 9,6 milhões autuações só por radares. Só no primeiro semestre deste ano, foram 7 milhões e meio.
A diferença é ainda maior quando comparamos com 2014, quando o número de radares era bem menor e a velocidade máxima das vias não tinha sido reduzida.

Outro equipamento estrategicamente posicionado está na Rodovia Dos Imigrantes, naquele pedaço que a estrada deixa de ser concessão da Ecovias e passa a ser trecho urbano.

Os ouvintes também lembraram do varal de radares do Complexo Viário Ayrton Senna, lá perto do Obelisco e do Parque Ibirapuera.

Em nota, a CET informa que a redução da velocidade de quem sai do eixo Norte-Sul para o Túnel encontra-se devidamente sinalizada. E realmente está. Mas não é essa a questão aqui.

De janeiro pra cá foram quase 30 mil multas por dirigir em alta velocidade nesse loca porque muitas vezes o motorista não consegue tirar o pé do acelerador a tempo.

A Jovem Pan questionou os dados técnicos que embasam a instalação desses equipamentos fixos na capital, mas o órgão não respondeu.

A Prefeitura de SP está sendo investigada pelo Ministério Público sob suspeita de improbidade administrativa.

Em ação acatada pela Justiça em maio, a Promotoria diz que eles criaram uma “indústria das multas” para aumentar a arrecadação do município. Isso foi feito, na avaliação do MP, “elevando consideravelmente o número de equipamentos de registro eletrônico de autuações na cidade e situando-os em locais inapropriados”. O processo está tramitando em segredo na Justiça.

Confira a reportagem completa de Carolina Ercolin: