Pacote de recuperação dos Estados voltará a ser discutido na Câmara

  • Por Jovem Pan
  • 18/04/2017 06h30
BRA100. BRASILIA (BRASIL), 12/04/2017 - Vista de la Cámara de Diputados vacía hoy, miércoles 12 abril de 2017, en Brasilia (Brasil). Las investigaciones autorizadas por supuesta corrupción contra ocho ministros y decenas de legisladores de 14 partidos abrieron hoy otra fase de la aguda crisis política brasileña y dejaron contra la pared al Gobierno de Michel Temer. Además de ocho ministros y decenas de parlamentarios, en la lista de sospechosos están 12 de los 27 gobernadores del país y los cinco expresidentes brasileños vivos: José Sarney (1985-1990), Fernando Collor de Mello (1990-1992), Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) y Dilma Rousseff (2011-2016). EFE/Joédson AlvesCâmara dos Deputados vazia EFE

O pacote de recuperação fiscal dos Estados vai voltar a ser discutido no plenário da Câmara dos Deputados. Essa vai ser pelo menos a quarta tentativa do Governo de votar a matéria, que visa Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, os três Estados em situação mais delicada.

O que vem emperrando a votação, além da forte obstrução da oposição, são as contrapartidas exigidas para que se alivie o pagamento das dívidas com a União pelos próximos três anos.

Durante esse tempo, por exemplo, os governos teriam que suspender aumentos salariais e concursos públicos e aumentar a contribuição previdenciária dos servidores. O texto também pede a privatização de estatais.

Para alguns deputados da base, as exigências são muito rígidas para serem aprovadas em um ano pré-eleitoral. Outro fator que pode complicar a situação do Governo nesse projeto é que a oposição vai apresentar um substitutivo mais brando e que abrange mais Estados.

Nele, cada Estado negociaria individualmente com a União as condições para refinanciar as dívidas.

O líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini, defendeu a versão: “achamos que é importante atender os três Estados, mas temos uma fila de mais dez Estados que estão caminhando para uma situação caótica”.

A proposta alternativa pode acabar atraindo deputados de Estados principalmente do Nordeste que não estão contemplados no texto original. Porém, os governadores do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, têm marcado presença em Brasília para ajudar nas negociações e convencer a base.

*Informações do repórter Levy Guimarães