Pampulha como patrimônio da humanidade exige maior cuidado com instalações

  • Por Jovem Pan
  • 19/07/2016 10h41
Belo Horizonte- MG, Brasil- Igreja da Pampulha, localizada em Belo Horizonte, em Minas Gerais. Foto: EmbraturConjunto da Pampulha - EBC

Decisão da Unesco de tornar o Conjunto da Pampulha patrimônio da humanidade é um avanço, mas exige cuidado redobrado com as instalações.

A estrutura em Belo Horizonte, um marco na arquitetura dos anos 40, tem traços de Oscar Niemeyer, Cândido Portinari e paisagismo de Burle Marx.

A Casa do Baile e o Museu de Arte estão entre os quatro edifícios modernistas idealizados quando Juscelino Kubitschek era prefeito da capital mineira.

Agora são 20 os patrimônios mundiais da humanidade no Brasil: 13 culturais e sete naturais. Na lista aparecem os centros históricos de Ouro Preto, Olinda e de Salvador, o Plano Piloto de Brasília e as paisagens cariocas entre a montanha e o mar.

A coordenadora de Cultura da Unesco no Brasil, Patrícia Reis, destacou que virar patrimônio da humanidade só trará benefícios à Pampulha: “antes do benefício o próprio País se compromete com a preservação daquele bem. O reconhecimento internacional suscita uma série de vantagens”.

Ela acrescentou ainda que a candidatura da Pampulha atendeu a todos os requisitos.

Falando a Thiago Uberreich, o presidente da Fundação Municipal da Cultura de Belo Horizonte, Leônidas Oliveira, apostou no incremento do turismo: “que haja um incremento do turismmo. Esse turismo externo e também local. Só tem sentido esse título com a maior apropriação possível das pessoas da cidade junto com esse patrimônio histórico”.

Leônidas Oliveira explicou ainda que a Pampulha vai passar por melhorias, como a despoluição da lagoa e a reativação do transporte aquático.

No caso dos patrimônios naturais no Brasil, a lista da Unesco traz, por exemplo, a Mata Atlântica e o Parque Nacional do Iguaçu.