Frota diz que faz parte de ‘novo PSDB’ e não pedirá desculpas a Alckmin por críticas

Em entrevista ao Pânico, Alexandre Frota afirmou que João Doria está remodelando o PSDB e, por isso, aceitou o convite para se filiar ao partido

  • Por Jovem Pan
  • 19/08/2019 14h15
Jovem PanAlexandre Frota foi o convidado do Pânico nesta segunda-feira (19)

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) comentou, em entrevista ao Pânico, nesta segunda-feira (19), as críticas que fez ao partido no passado. Ele não retirou as queixas contra a sigla, mas disse que agora faz parte de um “novo PSDB”.

“Faço parte de um novo PSDB, o que aconteceu no passado é passado”, disse Frota. Em um vídeo na época da campanha para a Câmara dos Deputados, o ator faz críticas ao então candidato tucano à presidência, Geraldo Alckmin, e diz que o partido é tão corrupto quanto o PT.

Alexandra Frota defendeu que a sigla está passando por um novo momento e, por isso, aceitou o convite. Ele revelou que foi sondado por oito partidos após a saída do PSL. “Entrei num novo PSDB, convidado pelo João Doria, com pessoas diferentes das que eu citei”, afirmou. Ele ainda disse que não irá se desculpar com Alckmin. “Pergutaram se eu ia pedir desculpas ao Alckmin, falei que não.”

Segundo o deputado, o governador de São Paulo, João Doria, é quem está capitaneando a nova fase do PSDB. “Estou trabalhando num partido extremamente remodelado. O João Doria está aplicando todos os esforços para que a imagem do partido seja outra, jovem, digital”, explicou.

Ele também deixou que claro que o trabalho que fará no novo partido será diferente do que fez no PSL. “Eu amadureci muito nesses seis meses. O trabalho que vou fazer agora no novo PSDB é totalmente diferente do que fiz no PSL”, disse.

PSL

Expulso do PSL, Frota contou que os parlamentares do partido são muito expostos pelo presidente Jair Bolsonaro. “O PSL muitas vezes tem que defender coisas que o Bolsonaro fala em horas desnecessárias”, afirmou. “Como presidente, ele tem que se preservar e preservar aqueles que estão em volta”, continuou. “Muitas vezes, a gente fica como corpo de bombeiros.”

O deputado ainda revelou que há mais congressistas pensando em deixar o PSL. “Tem pessoas que querem sair do PSL, mas fica antiético eu falar o nome das pessoas”, disse.