Deputado Alexis Fonteyne critica a CLT e direitos trabalhistas

Em entrevista ao Pânico, o deputado federal Alexis Fonteyene (Novo-SP) ainda defendeu a reforma tributária

  • Por Jovem Pan
  • 02/09/2019 14h09
Jovem PanO deputado federal Alexis Fonteyne (Novo-SP) foi o convidado do Pânico nesta segunda-feira (2)

O deputado federal Alexis Fonteyne (Novo-SP) criticou, em entrevista ao Pânico, nesta segunda-feira (2), as relações de trabalho atuais no Brasil. Para o parlamentar, a CLT e os direitos trabalhistas atrapalham a geração de empregos e os empreendedores.

“Direito para quem já está com emprego acaba prejudicando as pessoas que querem entrar [no mercado de trabalho]”, afirmou Fonteyne. “Salário mínimo é o mesmo problema”, continuou, usando a Suíça, que não tem salário mínimo, como exemplo.

Para ele, a relação trabalhista no Brasil deveria ser como nos Estados Unidos. “A CLT é muito ruim, as pessoas podiam estar prestando serviço com contrato de relação pessoal, como nos Estados Unidos”, disse, argumentando que não é necessário que intermediários atuem nos contratos de trabalho. “Quanto mais gente interferir nas relações, pior”, explicou.

Reforma tributária

Um dos grandes defensores da reforma tributária no Congresso, Fonteyne explicou que a carga tributária não pode incidir sobre a renda, tem que ser feita sobre o consumo. “Se você tentar transferir toda a carga tributária do consumo para a renda, você percebe que não dá”, afirmou.

Isso acontece porque o Brasil é um país “pobre”, em que 84% da população recebe menos de R$ 6 mil por mês, segundo dados apresentados pelo deputado.

Ele ainda argumentou que é perigoso taxar grandes fortunas. “Os ricos se mandam”, explicou. A intenção do parlamentar é não piorar mais a vida de quem já paga muitos impostos. “Vai morder uma turma menor, que já é mordida pra caramba. A classe média brasileira é a que mais apanha, sem dúvida nenhuma”, disse Alexis Fonteyne.