Denise Fraga defende recursos da Lei Rouanet: "um país que se preze tem leis de incentivo"

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2016 14h36
Johnny Drum/Jovem Pan<p>Denise Fraga falou sobre sua peça em cartaz e muito mais no Pânico</p>

Denise Fraga é uma das pessoas que defendem urgentemente uma reforma na educação. A produtora, atriz e diretora é quer uma instituição escolar bem diferente da que estamos acostumados. Para quem não se lembra, há pouco mais de dois anos, Denise, em sua coluna no jornal Folha de São Paulo, expressou sua indignação em se estudar Química. Claro que a repercussão dessa opinião foi a mais negativa possível.

Em sua última participação no Pânico desta quarta-feira (05), a atriz bateu na mesma tecla. Com uma nova temporada da sua peça “Galileu Galilei”, Fraga aproveitou a densidade do texto para falar sobre o autoconhecimento que falta às pessoas: “a vida está um ciclone, quando você vê domingo já passou e você foi atirado no Natal. Eu tenho percebido nas conversas que a gente precisa dar uma olhada para o sentido da vida”.

Atriz renomada, Denise acredita em uma instituição escolar mais humana. Para ela, “as escolas precisam se reformar muito rapidamente. Elas precisam criar o autoconhecimento no indivíduo, para a gente saber escolher”.

Mais que isso, “a arte, o desenho, é uma coisa do homem se espelhar, de tentar se entender. É óbvio que você precisa estudar química, estudar as matérias. Mas eu acho que a gente precisa estudar o diálogo, o raciocínio, a retórica. Eu sinto que a gente ouve apenas 50%”.

Lei Rouanet

Sem medo, Denise agradeceu às leis de incentivo que fizeram com que “Galileu Galilei” saísse do papel e rodasse o Brasil.

Após escândalos envolvendo desvios de verba destinadas à arte, a atriz afirmou que “ninguém fala dos empregos que a Lei Rouanet gera. “Um país que se preze tem leis de incentivo. Com exceção dos Estados Unidos que têm uma indústria cinematográfica”.