Diego Hypólito e Renan Barão criticam apoio “nota quatro” ao esporte no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 29/10/2014 13h36
Bruna Nastas/ Jovem Pan

Nesta quarta-feira (29), o programa Pânico recebeu os atletas Diego Hypólito e Diego Barão. O ginasta e o lutador criticaram a falta de apoio ao esporte no Brasil.

“O país tem um plano, de uns seis anos para cá, que ajuda o atleta da categoria de base, mas o estímulo no esporte ainda é precário. Muitos atletas acabam parando antes de atingir o auge. Os esportes olímpicos ainda são lidados como categorias amadoras”, afirmou Diego.

“É muito precário o apoio ao esporte. Sou de Natal, lá temos vários campeões que lutam de igual pra igual com qualquer um do mundo, mas não têm oportunidade. Dou nota 4, no máximo 5”, complementou Barão.

O ginasta se envolveu em confusão pouco antes do Mundial deste ano, que aconteceu na China. Colocado na reserva, ele se manifestou no Instagram e, por ironia do destino, acabou tendo que competir.

“Eu era o segundo reserva, me tornei o primeiro após lesão de um companheiro e duas horas antes mais um se machucou e acabei competindo e pegando mais uma final, ajudando a ser a sexta melhor equipe do mundo”, contou, sem esconder sua satisfação.

“É o objetivo de todos os atletas, chegar ao campeonato mundial, desta vez eu não concordei em ser colocado como segundo reserva, me posicionei, achei que estava sendo prejudicado, depois entendi. Mas comigo na equipe, foi o melhor resultado da história”, completou.

Após falhar em duas Olimpíadas, Diego explicou que mantém o sonho vivo e está mudado. “Eu me sentia invencível, e ninguém é, todo mundo que está lá treina duro. Em 2008, eu tinha certeza que seria campeão olímpico, e não é dessa forma”, confessou.

Já Renan Barão, lutador do UFC, ganhou os holofotes nos últimos tempos após desmaiar na tentativa de reduzir seu peso e ser removido do combate. “Vinha num trabalho grande de desidratação para perder peso, entrei na banheira quente, com sal, passei creme. Chego a perder dez quilos no processo. Desmaiei, bati a cabeça, o médico do UFC veio e me impediu de lutar. Tomei soro na veia, não tinha como bater peso e lutar”, disse.

Sobre o atual momento do Brasil na luta, Renan rechaçou um boicote aos brasileiros: “não é o Dana White que está boicotando, estamos numa fase ruim. Em termos de cinturões, estávamos empatados com o EUA, mas temos que trabalhar dobrado para voltar”.