"É um luxo mais acessível", conta o chef Carlos Bertolazzi sobre gastronomia

  • Por Jovem Pan
  • 22/08/2014 14h31
Nathália Rodrigues/ Jovem Pan

O chef Carlos Bertolazzi percorreu o mundo e extraiu experiências de cada lugar pelo qual passou. Estudou gastronomia em Piemonte, na Itália, estagiou em restaurantes italianos e norte-americanos até conseguir um estágio no catalão El Bulli, de Ferran Adrià – o papa da nova cozinha espanhola, mentor de uma geração inteira de chefs. Em entrevista ao Pânico desta sexta-feira (22), o famoso chef falou sobre o lançamento de seu livro “iChef – Histórias e receitas de um chef conectado”, o comportamento dissimulado de clientes no Brasil e no exterior e a notoriedade alcançada pela gastronomia nas redes sociais.

No livro lançado pela Editora Tapioca, Bertolazzi escreve, em tom de conversa, como escolheu a gastronomia, onde foi estudar, os chefes que o influenciaram, os países que conheceu e os restaurantes onde estagiou. “O livro é uma coletânea de várias receitas que fizeram parte da minha vida que só têm sentido se eu contar as vivências em torno delas.” Chef Carlos Bertolazzi fala sobre lançamento de seu livro no Pânico

Atualmente Bertolazzi é dono dos restaurantes paulistanos Zena Caffè, Per Paolo e Carbonari e além disso arranja tempo para apresentar o programa Homens Gourmet, exibido pelo canal Fox Life. Entre seus planos, o chef contou que pretende expandir uma de suas redes de restaurante. “As pessoas curtem a atmosfera do Zena. Já o Per Paolo é uma rede com algumas unidades e que a gente pretende levar pra outros lugares. Também tem o Carboni, na Lapa, especializado em carnes.”

Bertolazzi também participa da Feirinha Gastronômica aonde vende suas festejadas receitas, mas revela que é o momento em que mais consegue interagir com o público. Como destaque, sua coxinha recheada com carne de pato atrai fãs de todo o Brasil. “Eu tenho participado dessas manifestações de comida de rua, estou na feirinha todos os domingos. O que sinto ali é que o contato com o público é maior.”

Depois de observar e presenciar cenas típicas de consumidores pelo mundo, Bertolazzi tem autoridade para comentar a mudança de tratamento do público brasileiro com relação aos restaurantes nacionais e internacionais, revelando arrogância velada por parte dos clientes. “Quando você está em Paris e tem uma garçonete para atender 15 mesas as pessoas não reclamam, mas quando estão no Brasil, querem que a comida chegue em cinco minutos.”

Sobre o fenômeno contemporâneo das redes sociais, Bertolazzi também pontuou em relação ao poder da gastronomia em englobar classes econômicas distintas. “A gastronomia é a forma mais barata de mostrar status. Uma coisa é postar foto ao lado de seu Porsche, outra é tirar foto com um prato de 500 reais. É um luxo mais acessível.”