Nelson Freitas diz que musicais do Brasil “não perdem para nenhum da Broadway”

  • Por Jovem Pan
  • 23/04/2014 14h09
Jovem Pan

Se Eu Fosse Você, divertida história protagonizada por Glória Pires e Tony Ramos no cinema, virou espetáculo de teatro. Mais especificamente um musical, atualmente em cartaz no Oi Casagrande, no Rio de Janeiro. E, desta vez, os responsáveis pelos personagens principais são Cláudia Netto e Nelson Freitas, que esteve na bancada do Pânico nesta quarta-feira (23) para contar mais detalhes do projeto. Durante sua participação, o ator revelou que a produção custou cerca de R$ 8 milhões – preço que, segundo ele, é justificado pela sua alta qualidade. 

“Contamos a história do filme, mas com algumas diferenças. O mais legal, em minha opinião, é que a trilha sonora foi toda feita em cima de músicas da Rita Lee. Tem Doce Vampiro, Ovelha Negra. Está fantástico”, disse. “E estamos falando de uma produção de R$ 8 milhões da Aventura [empresa de Luiz Calainho]. Ela, hoje em dia, é a maior produtora de musicais do Brasil. Há tempos está criando espetáculos com uma extrema qualidade. Fez até o Elis – A Musical, que é um dos maiores musicais que já vi. Não ficamos a dever para nenhuma peça da Broadway”, completou. 

No espetáculo, Nelson interpreta Cláudio “ele mesmo” e Claudio na pele de Helena – já que os personagens “trocam” de corpo em determinado momento. Ao comentar as dificuldades os papeis, disse que até mesmo ele se confunde eventualmente sobre o palco. 

“É uma zona. Chamo a Cláudia de Helena, depois tenho que chamá-la de Cláudio. Tenho que me cuidar para não trocar os nomes, isso já aconteceu algumas vezes. É doido”, afirmou. “Vou contar uma história engraçada. Tem um gesto que faço que é assim: quando trocamos de corpo, aponto para o ‘dito cujo’ e falo: ‘o que vou fazer com isso dentro das pernas?’. As pessoas costumam gostar, achar engraçado. Aí outro dia fomos dar uma entrevista para alguns blogueiros, e uma menina falou para a Claudia que tinha adorado aquele gesto dela. Mas quem faz aquilo sou eu! Acho que foi o maior elogio que recebemos”, contou em seguida. 

Ao mesmo tempo em que faz o espetáculo, o ator continua no elenco do Zorra Total, da TV Globo, em que atua há quase 15 anos. Apesar de rasgar elogios ao humorístico, ele explicou que gosta de “dar um respiro” do que já está acostumado a fazer e se arriscar em trabalhos diferentes. 

“Fui para o musical porque estou no Zorra há 15 anos. Não é mole. O programa é incrível, é um dos únicos remanescente dos grandes programas de humor antigos do país. Ele revela pessoas, vários artistas tops de linha vieram de lá. Cumpre muito bem seu papel. Me divirto, é muito gostoso. Mas quero fazer outras coisas também. É bom respirar. Tem muita farinha dentro desse saco. Conforme pintam os convites, vou aceitando”, disse. 

Enquanto esteve na bancada, o convidado falou também sobre as atuais novelas da TV Globo, comentou o “boom” do humor, especialmente da stand-up comedy, no país, e relembrou sua participação no quadro Dança dos Famosos, do Domingão do Faustão (em que foi vice-campeão), revelando ser grande admirador de Fausto Silva – segundo ele, um apresentador do c***. Confira a íntegra no áudio.