Fernando Rocha diz estar feliz na internet, mas quer voltar à TV: ‘É meu habitat’

Em entrevista ao Pânico, Fernando Rocha ainda afirmou que entende os motivos da Globo para sua demissão

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2019 13h53
Jovem PanFernando Rocha foi o convidado do Pânico nesta terça-feira (17)

O ex-apresentador do “Bem Estar”, da Globo, Fernando Rocha, confessou que quer voltar à TV aberta. Em entrevista ao Pânico, nesta terça-feira (17), ele afirmou que está feliz com os projetos na internet, mas quer novos desafios na TV.

“Eu sou um bicho de televisão, sou dessa área, é meu habitat, e pretendo voltar para lá”, disse. O jornalista, no entanto, reforçou que não é um apresentador tradicional e lembrou que comandou uma atração muito específica, focada em saúde e bem estar. “Para ir para uma TV aberta, preciso de um projeto que seja customizado e moldado para isso”, explicou. “O mercado não é tão dinâmico dessa forma.”

Desde que foi demitido da Globo, em fevereiro, Fernando Rocha tem projetos em portais de internet e nas redes sociais em que fala sobre saúde e mobilidade urbana. “Estou muito feliz com essas descobertas, é literalmente carregar seu público no bolso”, comemorou. “A surpresa que eu tive nessa saída foi muito grande com o mar de possibilidades”, admitiu.

Demissão

Dez meses após a demissão, o jornalista explicou que entende cada vez mais os motivos da emissora. “Meu drama não é uma questão individualizada. A lista é imensa de pessoas que saíram, a minha história é uma dentro de várias outras”, reconheceu, citando uma mudança de estratégia da emissora. “No foi só eu que saí, o programa acabou”, lembrou.

O apresentador chegou a reclamar da forma como foi dispensado, mas agora reconhece que a situação não poderia ter sido muito diferente. “A minha [demissão] foi mais bombástica, fui avisado de uma forma muito rápida. Mas não existe forma adequada de se dar uma notícia ruim”, ponderou.

Depois de 30 anos na Globo, Fernando Rocha afirmou que conseguiu se redescobrir. “Fui percebendo que nesses 30 anos adquiri uma personalidade muito ligada à TV Globo. Eu fui o Fernando da Globo, quando você perde isso, fica meio sem chão”, admitiu. “O trabalho não acaba. O emprego talvez acabe, passe por transformações. Estou entendendo isso”, explicou o jornalista.