Brasil e EUA estão próximos de acordo para exportação de aço e alumínio, diz Filipe G. Martins

Em entrevista ao Pânico, Filipe G. Martins ainda falou sobre a relação do Brasil com a China

  • Por Jovem Pan
  • 06/12/2019 14h52
Jovem PanFilipe G. Martins foi o convidado do Pânico nesta sexta-feira (6)

O Brasil está próximo de fechar um acordo comercial com os Estados Unidos sobre exportações de aço e alumínio, disse nesta sexta-feira (6), em entrevista ao Pânico, o assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais, Filipe G. Martins.

Nesta semana, o presidente americano, Donald Trump, fez um tweet dizendo que o país irá sobretaxar a importação de aço e alumínio do Brasil. Segundo Martins, o governo brasileiro recebeu a notícia com serenidade.

“Na posição das pessoas que estão no governo, a gente não pode agir histericamente”, afirmou o assessor. Ele garantiu um resultado positivo da atuação nos bastidores. “A gente vai fazer do limão uma limonada”, prometeu.

A expectativa é de que o acordo entre Brasil e EUA também envolva etanol e trigo. “A gente vai sentar à mesa e vai lançar o acordo comercial. Acredito que até o final deste ano, que nas próximas semanas isso possa ser anunciado”, disse Martins.

Para o assessor, Donald Trump tomou a decisão de sobretaxar os produtos brasileiros para tentar ganhar votos em 2020, quando ele concorrerá à reeleição. “O Trump está atuando em uma lógica claramente eleitoral”, disse. “Ele precisa dar uma sinalização para o eleitorado dele, então ele está iniciando uma movimentação.”

China

Ainda na entrevista, Filipe G. Martins falou sobre a relação entre Brasil e China. “A China talvez seja nosso outro parceiro, que acaba definindo as nossas movimentações”, afirmou.

O assessor definiu como “fascinante” a relação com o país asiático. “Mas nós temos que resguardar nossos interesses nacionais tanto em relação à China quanto em relação aos Estados Unidos e qualquer parceiro no mundo”, ressaltou Martins.

Ele destacou que o Brasil tem se posicionado de um “modo pragmático” na guerra comercial entre China e Estados Unidos. “Estamos tentando obter ganhos dos dois lados. Não tem grandes segredos”, ponderou o assessor.

Filipe G. Martins também comentou a viagem de deputados do PSL ao país, em janeiro, que gerou críticas da base bolsonarista. Para ele, houve voluntarismo e precipitação por parte dos parlamentares. “Você chega em um país como a China e é muito fácil você se deslumbrar e ser levado”, explicou.