À frente do Brotheria, Bozzo Barretti revela “briga de rua” com Dinho Ouro Preto

  • Por Jovem Pan
  • 26/11/2014 13h49
Amanda Garcia/Jovem Pan<p>Grupo Brotheria visitou o Pânico nesta quarta-feira (26)</p>

Ex-integrantes da banda Capital Inicial em dois momentos diferentes, Bozzo Barretti e Murilo Lima revelaram brigas e desentendimentos internos dentro do grupo liderado por Dinho Ouro Preto, em entrevista ao Pânico.  Agora, os dois tocam juntos no Brotheria.

Maestro formado pela Universidade de São Paulo (USP) e produtor do primeiro trabalho do grupo de Brasília, Barretti disse que Dinho “deu uma peitada” nele, que teria virado uma “briga de rua” durante discussões cotidianas. Esse fato teria sido decisivo para ele abandonar a trupe. “A gente se tretou, logo depois se abraçou, chorou, mas nunca mais foi a mesma coisa”, disse. O músico integrou oficialmente o Capital Inicial de 1987 a 1992.

Já Murilo, que assumiu os microfones do grupo com a saída de Dinho de 1993 a 1998, afirmou que o grupo não fez tanto sucesso na época por escolhas dos outros integrantes. “A gente gravou dois discos de forma independente (Rua 47 e Atrás dos Olhos), rescindo com a BMG (gravadora). O Loro (Jones, ex-guitarrista) e o Fê Lemos (baterista) tinham uma empresa chamada Qualé Cumpadi e queriam seguir para a área independente”, contou. Depois disso, Dinho voltou ao grupo, gravando o Capital Inicial Acústico MTV (2000).

Murilo contou que o colega Barrett é viciado em trabalho. “Já cheguei a compor seis músicas num dia”, afirmou o maestro, que já trabalhou com Tim Maia, Toquinho, Zezé di Camargo e Luciano e destacou, com orgulho, ter integrado a banda de Wilson Simonal.  

O experiente músico disse ainda ter se arrependido de ter feito algumas canções sertanejas. “Compus umas música na época de sertanejo que me arrependo tremendamente”, revelou e listou ainda o hit Macacaralho