“Fui agredido várias vezes pela Emilly”, dispara ex-BBB Marcos Harter

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2017 14h25
Johnny Drum/ Jovem Pan

Marcos Harter foi expulso da 17ª edição do Big Brother Brasil depois de uma das maiores polêmicas do reality. No Pânico na Rádio desta terça-feira (15), o ex-brother não se esquivou das perguntas sobre a suposta agressão à Emilly, com quem mantinha um relacionamento na casa, e ainda questionou a forma como a Globo lidou com a situação.

“A regra [do reality] é agressão física, mas isso é questionável. Houve discussão e eu peguei no braço da Emilly, mas não teve apertão”, afirmou.

Quanto aos hematomas no braço de Emilly, o brother defendeu que eles não foram causados no momento da briga. “A gente faz prova toda hora, fica arranhado e roxo”, disse.

Marcos ainda declarou que foi agredido por Emilly mais de uma vez durante o confinamento, mas optou por manter o caso longe dos holofotes. “Fui agredido várias vezes por ela. Meu braço tinha 17 unhadas dadas pela Emilly, mas não quis fazer corpo de delito”, contou.

A discussão e suposta agressão, segundo o cirurgião, não foram abordadas da melhor maneira pela Globo. “No BBB 16, a Ana Paula deu um tapa no Renan e apareceu tudo: ele reclamando, eles expulsando a Ana Paula. Porque a Globo não mostrou isso [no meu caso]?”, questionou.

“Faltou transparência em mostrar tudo e me dar respaldo de resposta”, afirmou.

Ainda assim, o cirurgião assumiu que errou e se arrependeu pela forma como falou com Emilly e no caminho que a discussão tomou. “Eu escorreguei e é normal porque [no confinamento] passamos fome, tem pressão, tem pessoa infernizando”, ponderou. “No calor da emoção isso rola”, completou.

Vida pós BBB

Mesmo tendo deixado o confinamento com o rótulo de “suposto agressor”, Marcos Harter viu a procura por seu trabalho como cirurgião plástico aumentar depois do reality. As consultas cresceram tanto que ele teve que adotar uma medida para barrar os curiosos que marcavam hora simplesmente para conversar com ele.

“A minha primeira semana em São Paulo [depois do reality] eu atendi 77 pacientes e desses, 24 foram para bater papo. Por conta disso a consulta aumentou, agora está R$1.500”, contou.

O brother confessou que ainda tem a sensação de estar sendo observado o tempo todo. “Tudo que vou fazer parece que estou sendo vigiado”, disse ao afirmar que encara isso como uma “sequela” positiva do reality.

“Tenho a sensação que todo mundo me conhece e eu preciso dar exemplo, tenho obrigação de ser bom exemplo por me tornar conhecido”, falou.