‘Crise no PSL foi uma luz no escuro’, diz Helio Negão

Os deputados federais Helio Negão (PSL-RJ) e major Vitor Hugo (PSL-GO) participaram do Pânico nesta segunda-feira (16)

  • Por Jovem Pan
  • 16/12/2019 14h16
Jovem PanO deputado federal Helio Negão (PSL-RJ) participou do Pânico nesta segunda-feira (16)

O deputado federal Helio Negão (PSL-RJ) afirmou, em entrevista ao Pânico, nesta segunda-feira (16), que o racha no PSL não foi de todo ruim. “A crise no PSL foi uma luz no escuro, clareou. Estamos em fase de depuração, é isso aí que vocês estão vendo”, disse.

A crise no partido fez com que o presidente Jair Bolsonaro, eleito pelo PSL, deixasse a sigla e criasse a Aliança Pelo Brasil, sua nova legenda. Helio Negão não quis antecipar se também vai migrar de partido.

O parlamentar também falou sobre a possibilidade de disputar a prefeitura do Rio de Janeiro em 2020 e confessou que não é seu plano, mas pode mudar de ideia. “Se o Bolsonaro achar que tenho que ser prefeito, pretendo sim, para cumprir a missão”, ressaltou. Ele defendeu a alternância de poder na capital fluminense. “É muito importante que surja outros nomes”, disse sobre a corrida eleitoral do ano que vem.

Articulação

Também no Pânico, o deputado federal major Vitor Hugo (PSL-GO), líder do governo na Câmara dos Deputados, comemorou o primeiro ano de governo Bolsonaro.

Ele rechaçou as críticas à articulação do governo no Legislativo. “Criticam a articulação do governo, mas esse foi o governo que conseguiu aprovar a reforma da Previdência“, afirmou.

Vitor Hugo lembrou que Jair Bolsonaro foi eleito com uma coligação de partidos pequenos, o PSL e o PRTB. “O nosso presidente foi eleito com dois partidos nanicos que atropelaram os demais. O presidente, não querendo capturar o Legislativo e querendo prevenir a corrupção, queria ter uma base em torno do mérito das questões”, explicou o deputado.

Helio Negão também comemorou os resultados do governo no Legislativo. “Cerca de 77% do que ele [Jair Bolsonaro] mandou foi aprovado e sem o toma lá, dá cá. A articulação do governo foi muito boa”, afirmou o deputado.