Influenciador adolescente desabafa após ser ‘cancelado’ por ser conservador: ‘É como se gritassem com você’

Carlos Pilotto tem 13 anos, produz conteúdo político nas redes sociais e lida com ‘haters’ de esquerda; ele foi o entrevistado do Pânico nesta sexta

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2022 16h46 - Atualizado em 27/05/2022 21h17
Reprodução/Jocvem Pan News Carlos Pilotto é um jovem influenciador de direita Carlos Pilotto é um jovem influenciador de direita

Nesta sexta-feira, 27, o programa Pânico recebeu o influenciador digital Carlos Pilotto. Conhecido por suas opiniões e seu posicionamento de direita, o adolescente desabafou sobre o cancelamento que sofreu após opinar sobre assuntos polêmicos em vídeos. “Fui cancelado nesse meio tempo. Falei do banheiro não-binário que queriam pôr na minha escola e falei sobre capitalismo e socialismo. Esse foram pontos que me fizeram ser cancelado”, contou. “Tive muita gente boa que me ajudou, mas a parte ruim é o linchamento virtual, como se fosse pessoas gritando com você. A parte boa é que você encontra pessoas que gostaram do seu conteúdo, vão te seguir e continuar com você. Eu, graças a Deus, tive pessoas que me ajudaram.”

Carlos Pilotto tem 13 anos, mas assume o papel de defesa da família tradicional e diz conseguir conviver com diferenças. “O principal do conservadorismo é a família. Aceito os outros, mas o que quero conservar é a família. Tenho alguns amigos de direita, mas a maioria dos meus amigos jovens não gostam de política”, disse.  “Nessa geração, temos esquerdistas, jovens de direita, mas a maioria fica no meio termo ou não gosta. O problema é que quem fica em cima do muro, às vezes cai para a esquerda. Eu acho que a direita é o que faz mais sentido para mim. É contra o socialismo e o aborto, são pautas que sou contra. O grande problema da esquerda é esse coletivismo. As pessoas não pensam com as próprias cabeças, elas rezam uma cartilha.”

O jovem conta que se interessou pela política após ser incentivado pelos pais a investir no mercado financeiro. “Durante a pandemeia, enquanto as pessoas jogavam videogame, meus pais me deram a ideia de brincar de investir na Bolsa de Valores, comecei a estudar e investir. Percebi que a política afetava o mercado e decidi entender mais do assunto”, disse. No futuro, Carlos espera fazer faculdade de ciências econômicas e trabalhar na área.  “Quero fazer faculdade primeiro, pretendo fazer economia. Política, não penso no momento, mas pode ser que eu mude de ideia”, concluiu.