Lucas Veloso revela que gostaria de levar o novo Trapalhões "para um lado mais caótico"

  • Por Jovem Pan
  • 25/04/2018 14h12
Johnny Drum/Jovem PanCom histórias e imitações, humorista arrancou gargalhadas da bancada

No ano passado, para marcar o aniversário de 50 anos da emissora, a TV Globo resolveu exibir um remake de um dos seus maiores clássicos: Os Trapalhões. E a decisão foi controversa. Enquanto alguns espectadores se alegraram ao ver os populares personagens Didi, Dedé, Zacarias e Mussum nas telinhas novamente, outros criticaram a drástica repaginada que a atração sofreu. Em entrevista ao Pânico na Rádio nesta quarta-feira (25), Lucas Veloso, responsável por viver o protagonista Didico na nova versão, comentou essa dualidade. Assim como o público, ele ficou emocionado com o retrato, mas reconheceu alguns problemas.

“Quem construiu o personagem não foi o Renato Aragão nem eu. Foi a direção. Ela tangeu os personagens. E o meu era o mais difícil. Botaram no meu rabo direitinho! Não puder fazer uma imitação do Didi a pedido da direção. Entendo isso, não tem como fazer o Didi ao lado do Renato. Eu ia levar uma surra. Ele é fantástico. Mas por mim, eu teria levado para um caminho mais caótico, mais anos 80, do jeito que a gente gosta. Esse seria o meu caminho”, declarou.

“Houve um excesso de produção. O humor é graça. A graça no teatro é ver o ator saindo do texto e improvisando. Pode não ser uma piada genial, mas é legal ver que é visceral. Mas preciso dizer que Renato e Dedé fizeram tudo com o coração aberto. Deram um exemplo de humildade. Imagina eles saírem do camarim deles e irem no nosso bater texto! Eles davam toques também. Eram raros, mas quando vinham todo mundo parava para escutar. O toque vem do Olimpo, cara. Eles são os Trapalhões. Da safra de Chico Anysio. O pouco de oportunidade que eu tinha para puxar conhecimento, eu puxava. Estava aprendendo com eles. Jantamos, fui tomar café na casa deles. O Nego do Borel até deu em cima da filha do Renato”, brincou em seguida.

A emissora ainda não divulgou se fará outras temporadas do programa. Lucas também não comentou se voltaria a gravar na pele de Didico ou não. O que ele cravou é que, depois de brilhar em Velho Chico, não pretende participar mais de novelas.

“Atuar foi bacana, uma experiência boa que guardo no coração, mas não pretendo voltar a fazer novela. Se chamarem, a gente pensa (risos). Mas é desgastante demais. Você grava de domingo a domingo, não tem vida social, fica bitolado”, explicou.

O convidado aproveitou o assunto para revelar uma história divertidíssima sobre sua entrada na emissora. Ele já era conhecido nas telinhas por ter aparecido no Programa do Gugu, na TV Record, mas tinha o desejo de entrar para a TV Globo “a qualquer custo”, segundo suas próprias palavras. Foi aí que recebeu o convite e teve que usar sua criatividade para improvisar.

“Quando apareceu a oportunidade da novela, só importava para mim chegar lá. Eles me perguntaram: você é ator? Respondi: claro, sou ator! É mesmo? Eu disse: é, sou mesmo. Mas era coisa nenhuma (risos). Eu queria ganhar o papel a qualquer custo. E meu personagem era para ser engraçado, mas, ao longo da novela, chegou um capítulo em que apareceu uma rubrica do autor no roteiro. Estava escrito ‘Lucas entra em cena chorando’. Falei, bom, vamos lá. Liguei para o Irandhir Santos, um dos maiores atores, e ele me explicou. Falou ‘entra na pilha do personagem, compreende ele que vem naturalmente’. Comecei e veio uma coisa na barriga mesmo que não era fome. Cheguei no estúdio cheio de água nos olhos. O diretor disse ‘ação’ e abri o berreiro! Foi duas horas de lágrima. Já achei que receberia Troféu Imprensa, prêmio no Domingão. Aí ele disse ‘corta, agora põe a câmera no Lucas’. Rapaz, acabou. Não tinha mais aguinha para sair”, contou, aos risos.

O comediante está em cartaz atualmente com o espetáculo de stand-up Tudo de Novo. Ele se apresenta nesta sexta-feira (27) em Belo Horizonte e no próximo sábado (5) em Recife. Ingressos e mais informações estão em sua página do Instagram.