Major Olimpio diz que pode sair do PSL e ficar sem partido no Senado

Em entrevista ao Pânico, Major Olimpio (PSL-SP) ainda criticou o fundo partidário e a falta de recursos do CNPq para pagar pesquisadores

  • Por Jovem Pan
  • 29/08/2019 13h56
Jovem PanO senador Major Olimpio (PSL-SP) foi o convidado do Pânico nesta quinta-feira (29)

O senador Major Olimpio (PSL-SP) disse, em entrevista ao Pânico, nesta quinta-feira (29), que pode sair do PSL. Ele afirmou que a lei permite que um senador fique sem partido, citando o exemplo de José Reguffe, que não está sob nenhuma sigla.

Olimpio admitiu que está tendo problemas na sigla. “Tem umas agonias internas”, confessou, ressaltando que todo partido tem brigas. Mesmo se deixar a legenda, prometeu seguir apoiando o presidente Jair Bolsonaro. “Não vou deixar de apoiar o governo Bolsonaro, as bandeiras do Bolsonaro. Ele está no caminho certo para colocar o país nos trilhos”, disse.

Ainda no PSL, Olimpio endossou a candidatura da deputada federal Joice Hasselmann à prefeitura de São Paulo em 2020. O senador explicou que chegou a um consenso com a parlamentar, com quem já teve problemas no passado. “Com os quadros que nós temos hoje no PSL, a Joice é a candidata com o maior potencial de eleição”, afirmou. “Ela vai ter o apoio do presidente Bolsonaro.”

Ele também comentou a expulsão de Alexandre Frota do partido. “Eu fui um dos que pediu a expulsão dele do partido. Os porquês dele sair estão muito claros”, disse. “Que Deus o guarde e esqueça aonde”, ironizou sobre o deputado federal, que se filiou ao PSDB.

Fundo partidário e CNPq

Falando sobre pautas do Brasil, o Major Olimpio criticou a ampliação do fundo partidário em cerca de R$ 2 bilhões. Ele lembrou que o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) já não tem dinheiro para pagar bolsas de pesquisadores e que a verba para campanhas políticas poderia ser usada em outras áreas mais importantes.

“Em setembro, vamos ter que nos virar se não vamos ter 84 mil desempregados”, disse sobre o fim da verba para as bolsas. “E é pesquisador científico, gente que está ralando para ver o Brasil melhor”, criticou Olimpio.