Manifestação na Paulista apoiará Moro e não atacará o STF e o centrão

  • Por Jovem Pan
  • 28/06/2019 14h23
Jovem PanMarcos Bellizia e Tomé Abduch foram os convidados do Pânico nesta sexta-feira (28)

Os líderes do movimento Nas Ruas, Tomé Abduch e Marcos Bellizia, prometeram, em entrevista ao Pânico nesta sexta-feira (28), que a manifestação convocada pelo grupo para este domingo (30), na Avenida Paulista, em São Paulo, será em defesa do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e não atacará as instituições.

Segundo os empresários, o protesto será propositivo e não terá críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF), ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao centrão, como em manifestações anteriores. Apesar da fala em defesa das instituições, Abduch ressaltou que não concorda com tudo o que acontece. “Temos problemas muito sérios com algumas pessoas dessas instituições”, disse. “O STF desconforta o Brasil inteiro.”

Sobre Maia, o líder do Nas Ruas avaliou que não é o momento oportuno para atacar o deputado. “Estamos vendo o Rodrigo Maia apoiando a nova Previdência. Se no passado ele errou, isso, neste momento, não vai ser colocado em pauta”, explicou.

O protesto convocado para este domingo foi idealizado após reportagens do site The Intercept Brasil divulgarem trocas de mensagens atribuídas a Sergio Moro e aos procurados da Lava Jato quando o ministro ainda era juiz federal. O grupo quer mostrar que segue apoiando Moro.

“Essas mensagens estão tentando estragar a imagem de uma das principais pessoas do país”, afirmou Abduch. “Estamos esperando uma manifestação muito grande para defender o homem que está limpando o Brasil da corrupção.”

Para Marcos Bellizia, o principal interesse em desmoralizar a Lava Jato é de quem ainda pode ser pego pela operação. “Tem muita gente que tem culpa no cartório que não tem nenhum interesse que a Lava Jato continue”, disse.

Ele ressaltou que a luta do grupo não é partidária. “A gente não está lutando pelas próximas eleições, a gente está lutando pelas próximas gerações”, explicou Bellizia.