“Minha agente me dava cocaína para não engordar”, revela ex-modelo Loemy Marques

  • Por Jovem Pan
  • 10/06/2016 14h08

Ex-modelo e vítima do crack, Loemy Marques saiu do interior do Mato Grosso para tentar a vida na cidade grande. Em São Paulo, em vez daa fama das passarelas e dos editoriais de moda, ela encontrou a droga.

Moradora da Cracolândia por dois anos, sua história chocou o país quando foi capa da revista Veja e participou do programa de Rodrigo Faro, na Record.

Atualmente, ela está “limpa” e participou do Pânico desta sexta-feira (10) junto com seu anjo da guarda, o psicoterapeuta Sergio Castillo.

A história de Loemy pode ser parecida com a de muita gente que quer ser a próxima Gisele Bündchen. “Minha agente me dava cocaína para não engordar. Era uma coisa meio que natural”, revelou.

Estando em uma república no Itaim Bibi, junto com outras modelos, Loemy decidiu se mudar para o centro de São Paulo, em busca de um custo de vida mais barato. “Fui morar do lado da Cracolândia. Morava com o dono da agência e com outras meninas, mas nem todo mundo usava droga”, afirma.

Depois de ter sido assaltada e terem levado todos seus documentos, Loemy se viu sentada na rua, chorando. Foi aí que ofereceram o crack. Para ela, “fiquei anestesiada e naquele momento passou o desespero”.

E o vício? “Fiquei usando de vez em quando, até um ponto que eu usei todos os dias sem parar. Só parava quando eu não aguentava mais, que precisava comer e dormir”, lembra. “Quando fiquei uma semana usando, tive uma parada cardiorrespiratória.”

Vida nas ruas
Depois de se deteriorar com o alto consumo de drogas, Loemy afirmou que já não conseguia mais trabalhos como modelo. Foi por falta de dinheiro e pela ausência dos documentos roubados, que optou por morar na rua.

Sua experiência na Cracolândia, claro, foi traumática. “Eu dormia em tendas, de projetos sociais do governo. As vezes que eu dormi na rua, aconteceram coisas horríveis. Acordar sem roupa ou dormir sozinha e acordar acompanhada”.

Capa da Veja e recuperação
Foi através de uma pastora, que já frequentava a Cracolândia para ajudar os viciados, que Loemy foi descoberta. A capa da revista apareceu através desse encontro.

Para o psicoterapeuta e especialista em dependência química, Sergio Castillo, a ex-modelo foi uma privilegiada. “No meio de todas aquelas pessoas da Cracolândia, ela teve a sorte de ser encontrada”, disse.

A ex-modelo confessa que sua doença nunca terá cura: “estarei para sempre em abstinência”.