"Música de amor não é só para menininha e mulher”, defende Projota ao rejeitar rótulo

  • Por Jovem Pan
  • 31/01/2017 14h10
Johnny Drum/ Jovem Pan

O rapper Projota entrou em 2017 na correria. Ele está trabalhando em um novo disco, que deve ser finalizado até fevereiro. Com algum material já pronto, o cantor esteve no Pânico na Rádio nesta terça-feira (31) para divulgar o single “Oh Meu Deus” e rebateu comentários de que só compõe músicas de amor para meninas.

“Quando comecei, falava sempre da temática que outros caras falavam: crime, gueto e vida na quebrada. Eu copiava os outros tipos de rap. Depois parei e passei a gostar de outros estilos, aí misturei e passei a falar de gueto, amor, tudo. Falar de amor é importante, eu faço música romântica antes mesmo de ouvirem falar de mim”, contou o músico.

Apesar dos hits românticos que emplacam nas rádios, o rapper negou o rótulo de compositor de “música para menininha”. “Homem não ouve e canta música de amor? Não é só para menininha. Música de amor não é só para menininha e mulher”, defendeu ao elogiar a forma como essas canções trazem mais meninas para o cenário do rap.“Esse tipo de trabalho ajuda a trazer a mulher pra essa cultura e mundo do hip hop”,disse ao reconhecer que suas canções são usadas “para a rapaziada pegar mulher”.

O rapper fez um balanço de sua relação com o rap e explicou à bancada do programa como a música deu a ele uma nova perspectiva de vida. “Quando ouvi caras do rap, acreditei mais em mim e vi possibilidades de mudança de sair da quebrada e procurar melhorias para a minha vida e da minha família”, disse ao afirmar querer fazer o mesmo para os adolescentes de hoje. “Falo sobre o indivíduo e quero influenciar a molecada a acreditar em si mesmo.”

No entanto, a música nunca foi sua primeira opção para conseguir essa mudança. “Só conseguia acreditar em melhorar sendo jogador ou traficante e inventei uma nova forma, sendo rapper”, contou. “Essa é uma cultura que merece fartura na mesa mesmo porque traz informação, mensagem e levanta a auto estima dos moleques periféricos”, disse ao defender os cachês. “Melhorei de vida e cheguei em um nível financeiro que não imaginava que chegaria. O que vier é lucro.”

O sucesso na carreira conta com um apoio especial. Projota revela que o single “Oh Meu Deus” foi composto pensando na noiva, de quem ele leva muito em conta a opinião em seu trabalho: “ela ouve, até fala mal da minha música, mas eu respeito porque é uma opinião que eu gosto”.