“Não era focada em uma religião, daí seu sucesso”, diz Petrônio Gontijo sobre “Dez Mandamentos”

  • Por Jovem Pan
  • 06/12/2016 14h27
Johnny Drum/ Jovem Pan

Comemorando o reconhecimento de “Os Dez Mandamentos” em Buenos Aires, Petrônio Gontijo, que interpretou Arão na novela, esteve no Pânico na Rádio nesta terça-feira (6) e falou sobre a emoção de ver o folhetim ser sucesso de audiência ao redor do mundo.

Atualmente sendo exibida em mais de 30 países, “Os DezMandamentos” teve uma exibição especial em Buenos Aires no episódio de abertura do Mar Vermelho, que reuniu 8 mil pessoas no Luna Parque. “Foi muito emocionante ver a comoção. Parecia um jogo de futebol”, contou Petrônio.

Depois de conferir a dublagem da novela em espanhol, o ator afirmou ter gostado das vozes, que se adequaram aos personagens. “Ficamos muito feliz com a dublagem. Como é um drama pesado percebemos que rolou um trabalho sério”, disse ao lembrar de vezes em que as vozes não combinaram.

Petrônio Gontijo atribuiu o sucesso à trama imparcial em relação às religiões e aos perfis psicológicos criados para cada personagem bíblico. “A novela não estava focada em um segmento religioso. Contava uma história fiel à Bíblia, daí seu sucesso. Pegou segmentos de várias religiões”, falou.

“Os perfis psicológicos bem traçados dos personagens também ajudaram no sucesso da novela. Na bíblia eles não tinham esse perfil e autora criou uma psique para cada um”, concluiu.

Ao longo dos meses da novela, Petrônio confessou que seu personagem teve diversos tipos de rejeição até ser aceito pelo público, que costumava parar o ator na rua para criticar. “Criticavam muito no começo porque era um escravo que odiava o irmão. Era quase um antagonista e as pessoas não aceitavam isso. Depois que ele começou a ser compreendido”, disse.  

Gontijo lembrou que foram 4 meses de preparação até o começo das gravações da novela, que incluiu idas à academia e uma nova alimentação para o físico malhado do personagem. “A preparação incluía também a compreensão dos rituais religiosos. Precisávamos de um estado de espírito diferente”, falou.