“O afastamento de Neymar pode ser positivo para o grupo”, diz Thiago Cruz

  • Por Jovem Pan
  • 08/07/2014 13h56
Túlipe Helena/ Jovem Pan

O diretor do Ituano Futebol Clube, Thiago Cruz, esteve no Pânico para comentar a atuação do Brasil na Copa do Mundo e o jogo contra a Alemanha que acontece nesta terça-feira (8). “Alemanha é freguês do Brasil”, arrisca ele, esperando uma vitória de 2×0.

Uma das fraquezas que ele vê na seleção rival é o fato de os jogadores serem da geração que vem jogando desde a Copa de 2006. Já o time brasileiro evoluiu durante o mundial.  “Eu acho que o jogo contra o Chile, por causa dos pênaltis, descarregou aquela tensão dos jogadores, lavou a alma, eles ficaram com um medo tremendo”, diz ele, que viu o Brasil ter um desempenho completamente diferente no jogo contra a Colômbia. “Foi aquele Brasil que a gente imaginava desde a Copa das Confederações no ano passado”, descreve.  “O afastamento de Neymar pode ser positivo para o grupo”, diz Thiago Cruz

Segundo ele, o afastamento de Neymar devido à lesão na coluna não deve ser encarado como ponto negativo. “Para o grupo pode ser positivo, o Fred, o Hulk e os outros vão ter que dar um gás. Antes era muito visado jogar para o Neymar, agora a bola pode chegar para os outros, como o Oscar”, explica. Para ele, o atacante vai se sair bem desta Copa independente do resultado, já que se machucou enquanto o Brasil estava ganhando.

Thiago acredita na capacidade de tomada de decisões de Felipão: “Todo mundo fica discordando do Felipão, mas no fim ele ganha. Se tem uma coisa que ele sabe fazer é motivar o grupo. A maneira que ele faz as coisas é sempre pensando no grupo ”, argumenta. Ele salienta as habilidades do treinador em blindar o grupo nas situações adversas.

“A gente tem que ganhar a Copa, é obrigação. Estamos jogando em casa e esse fator é importante. Essa é a final dos sonhos, tanto com a Holanda quanto com a Argentina. O Brasil hoje vai mostrar quem é pentacampeão”, diz o diretor do Ituano. Ele prevê que a Argentina vai ganhar da Holanda e que a final vai ser sul-americana.

Já o comentarista esportivo Rogério Assis não tem tanta certeza de que o Brasil ganha com facilidade no jogo desta terça-feira, mas que os dois times têm chances iguais de ganhar. Acompanhe na íntegra o áudio.