“O Brasil é o país da luta, e não do futebol”, diz o presidente do Jungle Fight, Wallid Smail

  • Por Jovem Pan
  • 11/07/2014 14h12
Jovem Pan

O presidente do Jungle Fight, maior evento de MMA da América Latina, Wallid Ismail, esteve no Pânico para falar sobre a edição 71 das lutas, que acontece no dia 19 de julho, no ginásio Canindé, em São Paulo. Ele foi oito vezes campeão brasileiro de Jiu-Jitsu e campeão mundial de Vale-tudo pelo International Vale Tudo Championship. Conhecido como “Gracie Killers” por ter vencido mais de um membro da família Gracie, ele criou o Jungle Fight Championship em 2003.

O evento é hoje o ponto de partida dos grandes campeões brasileiros de MMA, que lutam no maior evento mundial, o Ultimate Fighting Championship, nos Estados Unidos.  Wallid garante que o esporte será maior no Brasil do que o futebol. “Quatro edições de Jungle Fight atrás nós batemos o futebol em audiência. Quero mostrar que o Brasil é o país da luta, porque a Inglaterra é o país do futebol. Brasileiro é guerreiro por natureza, é lutador”, afirma o presidente.“ O Brasil é o país da luta e não do futebol” diz Wallid Ismail

Segundo Ismail, um fator de valorização do Jungle Fight é a ausência de quartel negativo. O lutador não sabe com quem vai lutar até que o embate seja anunciado na mídia. “O lutador cresce, vai na luta com vontade porque sabe que pode pegar uma pedreira. Isso traz credibilidade para o evento”, explica ele.

O Jungle Fight produz anualmente cerca de 20 eventos ao vivo em todo Brasil, com transmissão do SporTV e do Canal Combate. A edição 71 tem como luta principal o encontro entre Alexandre Capitão e Renato Moicano, nos pesos-pena, com até 66 kg. Este será o segundo duelo entre os dois, que se encontraram em 2010 no JF18. Renato Moicano é invicto na carreira. Outro combate de destaque é entre Elizeu Capoeira e Itamar Rosa, nos pesos-meio-médios, de até 77 kg.

Até os anos 1990, a luta no Brasil era sem regras, em um ambiente nada profissional. “Eu já tirei o protetor, joguei na torcida e continuei sem nada. Era porrada, era pessoal, não era um esporte. Hoje acabou a luta, os caras se abraçam. Antes não se lutava por dinheiro, hoje a molecada só quer sustentar a família, não tem raiva”, descreve o ex-lutador.

Wallid nasceu em Manaus e desde pequeno já gostava de uma luta. “Na minha primeira porrada, joguei um moleque no tanque de tartarugas no jardim da infância”, lembra, brincando. Ele viveu em Manaus até os 14 anos e foi para o Rio de Janeiro treinar em uma academia. Sem dinheiro nenhum, o dono da academia concordou que ele treinasse duas vezes por semana sem pagar nada. “Eu chegava de manhã e só saia à noite”, conta ele, que aproveitou muito bem a oportunidade e logo cresceu na carreira. Acompanhe na íntegra o áudio.

 Quer entrar na área VIP do Jungle Fight? Participe da promoção

Serviço:
Jungle Fight 71
Local: Ginásio do Canindé, São Paulo (SP)
Data: Sábado, 19 de julho de 2014
Horário: 21h (de Brasília)

Card Completo
1- Renato “Moicano” (Constrictor Team) x Alexandre Capitão (Orion Fight Camp) – cinturão 66 kg
2- Itamar Rosa (Team Nogueira) x Elizeu Capoeira (CM System) – Cinturão 77 kg
3- Bruno “Beirute” Tavares (Bronxs Gold Team) X Fabiano Soldado (XGYM) – 66 kg
4- Ciro “Bad Boy” (Kimura NU) x Lucio Curado (Popo Fight Team) – 70 kg
5- Diego “Faísca” Duarte (Kimura NU) x David “Tata” da Silva (Colisão Jiu Jitsu) – 61 kg
6- Rafael Nunes (Bronxs Gold Team) x Matheus Mattos (team Nogueira)- 57 kg
7- Rene “Soldado” Pessoa (Power Lotus Team) x Marcus Nuguete Vinicius (XGym) – 77KG
8-Ismael “Marreta” Bonfim (Popo Fight Club) x Fabiano “Jacarezinho” da Conceição (XGym) – 61 kg
9-Erick “Parrudo” Barbosa (LG System / Gracie Elite Salvador) x João Picirilo (Polemico Team) – 70 kg