“O sertanejo hoje é a música popular brasileira”, afirma Cristiano Araújo

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2014 13h55
Jovem Pan

Que o sertanejo tem se transformado radicalmente nos últimos anos, ninguém questiona. Que ele se tornou um dos gêneros mais populares do país por causa dessas mudanças, também não. O cantor Cristiano Araújo, no entanto, acredita que é muito mais do que isso. Em entrevista ao Pânico nesta terça-feira (6), ele se defendeu de críticas feitas contra o estilo e afirmou que o ritmo está na melhor fase de sua história. 

“O sertanejo está na sua melhor fase. A gente consegue abranger vários estilos. Gravamos axé, funk, arrocha, tudo junto. Faço até show em trio elétrico, em micareta, o que há 3 anos ninguém fazia. Hoje o sertanejo é a música popular brasileira. Todo ano tem alguma invenção, ele vem conquistando muitos espaços por isso, está ficando cada vez mais popular. Não temos cabeça dura, cantamos de tudo. O artista tem que ir onde o povo está, tem que cantar o que o povo gosta”, disse. <a href=”http://mais.uol.com.br/view/15026483″>“O sertanejo hoje é a música popular brasileira”, afirma Cristiano Araújo</a>

Há semanas no topo das paradas, o dono dos hits Maus Bocados, Caso Indefinido e Efeitos, porém, não acha que seu sucesso se deve apenas a esse “boom” do sertanejo. Para ele, manter uma boa relação com os fãs é essencial para o crescimento profissional de qualquer artista. 

“O pós-show é importante. Hoje eu vejo isso. Tem gente que fica horas na frente do hotel, vai direto para o show sem tomar banho para ver o artista. Aprendi isso com o Jorge e o Mateus, temos que tentar atender todo mundo”, contou. 

Aproveitando o rumo da conversa, ele comentou a recente polêmica envolvendo a cantora canadense Avril Lavigne, que realizou um Meet & Greet controverso em sua recente passagem pelo Brasil. Nele, os jovens pagaram R$ 800 para tirar uma foto ao lado dela. Detalhe: a alguns centímetros de distância, sem poder tocá-la. 

“Não está certo isso. A maioria das pessoas que leva nosso nome para frente é humilde, é simples, não tem condições de pagar. Tem meninas que ficam o dia inteiro fazendo campanha por mim. Seria muito injusto cobrar por isso. As pessoas de outros países cobram porque têm uma procura muito maior acho. Resumindo, é uma frescura do c… (risos)”, completou. 

Em seguida, Cristiano falou sobre sua amizade com Jorge, da dupla Jorge e Mateus. Segundo ele, foi o músico que bancou os custos da produção de seu primeiro DVD, trabalho que o projetou para a fama nacionalmente. 

“O Jorge é um anjo. Ele não emprestou, fica até nervoso quando falo isso, mas ele me deu aquele dinheiro. Eu cantava em uma dupla antes, quando separei fiquei lascado um bom tempo. Até que me encontrei com o Jorge e ele me ajudou a fazer o projeto do DVD, desde a escolha do repertório até o dinheiro. Se não fosse ele, eu não estaria em lugar nenhum”, finalizou. 

Confira a íntegra da entrevista no áudio.