“As pessoas pensam que gordo não se relaciona no mundo”, desabafa Sérgio Loroza

  • Por Jovem Pan
  • 28/08/2014 14h00
Juliana Blume / Jovem Pan

O cantor e ator Sérgio Loroza foi o convidado desta quinta-feira (28), no Programa Pânico. Durante sua participação, ele divulgou seu novo álbum Carpe Diem.

Segundo ele, a escolha do nome do álbum foi por conta da mensagem do filme Sociedade dos Poetas Mortos, de Robin Williams. “Carpe Diem é aproveite o dia”, definiu.

“Eu vi essa parada no filme há uns anos atrás e achei interessante. É óbvio, mas é importantíssimo”, e continuou: “O passado é importante para viver o presente melhor”. Divertido, Loroza brinca que as pessoas acabam achando que ele é malandro por conta da sua personalidade. “Muita gente me confunde com malandro. Eu tento me destacar dos otários, mas malandro eu não sou”.

Popular com suas canções de samba, ele diz discordar da frase “quem não gosta de samba, bom sujeito não é. “Acho absurdo, neguinho tem o direito de gostar e não gostar”. Sobre as músicas com letras mais tristes, ele diz que na verdade o “objetivo é curtir”. 
“As pessoas pensam que gordo não se relaciona no mundo”, desabafa Sérgio Lo

Em 2007, ele participou do quadro Dança dos Famosos, do Domingão do Faustão, e foi um dos sucessos da temporada. “As pessoas pensam que gordo não se relaciona no mundo. O legal da minha participação no Dança dos Famosos é que neguinho pensa que a montanha não se desloca”, brinca.

Sobre os ídolos brasileiros, ele lembra o ex-membro do Casseta & Planeta. “Bussunda é um grande ídolo meu. Primeiro cara bem sucedido da Rede Globo fora dos padrões”, e continua: “Grande Bussunda!”. 

Diferente do que muita gente imagina, Loroza começou sua carreira como cantor e foi para a televisão depois do diretor Wolf Maya ter visto uma apresentação da sua banda. “Eu era baixista, tocava baixo elétrico acompanhando outros artistas há muito tempo atrás. O pessoal pensa que eu aproveitei os 15 minutos de fama para fazer música”, desabafa.

Sobre as músicas da atualidade, Loroza acredita que a música brasileira está em um bom momento. “Eu acho que a gente está em um momento legal de produção de música”. De acordo com o cantor: “o povo quer ser surpreendido com uma parada foda”.

Loroza acredita que a internet possibilita muitsa informações, mas as pessoas acabam não absorvendo tudo isso. “Eu acho que a gente vai aprender a usar melhor as redes sociais, a internet. A gente está no caminho”.

Apesar do avanço da internet, as redes sociais podem ser cruéis por conta das críticas. “Quando neguinho inventou uma comunidade no Orkut ‘Eu odeio o Sérgio Loroza’ eu chorei bastante”, confessou.