Protagonista de beijo gay no teatro, Sérgio Marone comemora cena de “Amor à Vida”

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2014 13h45
Adriano Alves/Jovem Pan<p>Veja como foi a participação do ator na bancada!</p>

 O ano era 2005. Sérgio Marone, conhecido até então como ex-galã da novela Malhação (TV Globo), subiu aos palcos do Rio de Janeiro com a peça O Santo Parto, de Lauro César Muniz. E, já na estreia, causou polêmica: em uma das cenas do espetáculo, ele surpreendia e beijava outro homem do elenco. Agora, quase 10 anos depois, o ator relembrou o caso ao comentar o beijo gay exibido recentemente na também global Amor à Vida entre os personagens de Mateus Solano e Thiago Fragoso. Para ele, sua participação no teatro é uma das provas de que a cena demorou para aparecer na maior emissora de televisão do país.

“Na peça, eu beijava o Roberto Bomtempo. E não era um beijo como o da novela, era um ‘malho’ mesmo. Na TV, acho que aconteceu tarde demais. Se eu não me engano, a Record já tinha feito alguma coisa. Teve um ‘disse-me-disse’ muito grande, que não precisava. Mas a cena foi delicada, o Walcyr [Carrasco] construiu bem a relação dos dois, que são bons atores. Foi válido. É uma barreira que a TV Globo rompeu. Agora é torcer para que sejamos um país em que isso não seja mais notícia”, disse, nesta quarta-feira (5), em entrevista ao Pânico. “Você vai para outros lugares do mundo e vê pessoas andando de braços dados, mãos dadas. A cultura latina é mais machista, preconceituosa e moralista”, completou.

O Santo Parto, na época, teve cinco indicações ao Prêmio Shell. Dirigida por Luis Artur Nunes, contava também com José de Abreu no elenco. Depois de rodar o país com o espetáculo, Marone voltou à TV Globo e atuou em uma série de novelas deProtagonista de beijo gay no teatro, Sérgio Marone comemora cena de “Amor à sucesso, incluindo Como Uma Onda (2005), Cobras e Lagartos (2006), Paraíso Tropical (2007) e Caras e Bocas (2009). Hoje, apesar de ainda fazer parte do catálogo da emissora, não possui contrato fixo de exclusividade com ela. O que, para ele, é motivo para comemorar.

“Tem como sobreviver sem estar no ‘mainstream’. Desde que não tenho mais esse contrato, tenho trabalhado o dobro e ganhado um pouco menos, mas estou feliz por buscar novos desafios e oportunidades. Estou produzindo um longa-metragem, fiz um filme em Recife, de cinema autoral. Estou redescobrindo o tesão na minha carreira, deixando de ser um ator burocrático. Quando ficamos indo e vindo do Projac, decorando textos, participando de festas, é inevitável virar esse ator burocrático. Enche o saco um pouco. Estou muito feliz nessa outra fase”, contou.

A partir desta sexta-feira (7), ele poderá ser visto também nos palcos de Campinas, interior de São Paulo, com a peça Eu Te Amo. Versão teatral do filme de Arnaldo Jabor, ela conta a história de amor entre os desiludidos Paulo, seu personagem, e Maria, vivida por Juliana Martins. A direção é dos cineastas Rosane Svartman e Lírio Ferreira.

SERVIÇO

Eu Te Amo
Teatro Amil, Shopping Parque Dom Pedro
De 7 de fevereiro a 2 de março
Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 19h
Informações: www.teatroamil.com.br ou (19) 3756-9890