Rafinha Bastos duvida de candidatura de Gentili: ‘Quando a água bater na bunda, ele vai fugir’

Em entrevista ao Pânico, humorista disse que explanações ‘não passam de uma estratégia de marketing’; Danilo aparece como terceiro colocado na disputa presidencial de 2022 em pesquisa eleitoral

  • Por Jovem Pan
  • 23/04/2021 16h09 - Atualizado em 23/04/2021 17h12
Imagem: Reprodução/Youtube - canal 8 minutos Rafinha Bastos fala sobre candidatura de Danilo Gentili Rafinha Bastos afirmou, em entrevista ao Pânico, que votaria em Gentili se ele disputasse contra Bolsonaro nas eleições de 2022

Nas últimas semanas, o nome de Danilo Gentili tem deixado de circular entre as notícias de entretenimento para estampar manchetes relativas à política — nelas, o comediante é divulgado como um possível candidato à Presidência em 2022. Em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, nesta sexta-feira, 23, o humorista Rafinha Bastos analisou a possibilidade de Gentili ocupar a principal cadeira do Executivo. “Acho inteligente da parte dele e de Luciano Huck lançarem essas explanações, mas acredito que tudo isso não passa de uma estratégia de marketing”, disse. Para Rafinha, são baixas as chances de Danilo Gentili se candidatar à Presidência. “Seria uma loucura se meter com política — a não ser que um dia ele se deitou, acordou e pensou: ‘Eu quero mudar o Brasil’. Quando a água bater na bunda de Danilo e Huck, eles vão fugir. Na minha visão, tudo isso é marketing e o MBL está caindo na jogada como um patinho. Se Gentili for inteligente, ainda faz um documentário e ganha dinheiro expondo o MBL.”

Nascida como uma brincadeira nas redes sociais, a hipotética candidatura do polêmico humorista passou a ganhar contornos reais no início deste mês, com a divulgação de uma pesquisa encomendada pelo Movimento Brasil Livre (MBL) que aponta que Danilo Gentili aparece em terceiro lugar na disputa presidencial — atrás de Lula e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e empatado com Luciano Huck, João Doria, Ciro Gomes e Luiz Henrique Mandetta. Questionado sobre em quem votaria em um eventual segundo turno disputado por Gentili e Bolsonaro, Rafinha Bastos respondeu prontamente. “Entre Hitler e Bolsonaro, votaria em Hitler para não reelegê-lo. Portanto, considerando estes nomes, votaria no Gentili feliz da vida”, afirmou em tom de brincadeira.

Mantendo as críticas ao presidente, o comediante ponderou sobre a condução da pandemia de Covid-19 no Brasil. “Vivemos no momento em que qualquer esperança é válida. O lockdown já nos deu inúmeras provas de que traz resultados efetivos para conter a disseminação do vírus. Portanto, negar o isolamento social é uma loucura. Já a desconfiança da população com as vacinas é compreensível, mas também há uma série de levantamentos que comprovam a eficácia dos imunizantes. O Brasil precisa incentivar a vacinação e, digo mais: se João Doria não tivesse agilizado com a CoronaVac, Bolsonaro não teria movido o rabo para nada. Mesmo quem não gosta de Doria precisa dar esse crédito a ele. Se não fosse pelo governador, não teríamos vacinado nenhum velho até hoje”, concluiu. Segundo o último levantamento divulgado pelas Secretarias Estaduais de Saúde nesta quinta-feira, 22, até o momento, 27.945.152 pessoas receberam pelo menos uma dose de vacina contra o coronavírus, o equivalente a 13,2% da população brasileira.

Confira a entrevista com o humorista Rafinha Bastos: