Regis Tadeu detona k-pop, Anitta e música ‘popularesca’: ‘É feita para retardados’

  • Por Jovem Pan
  • 08/05/2019 14h29
Jovem PanRegis Tadeu foi o convidado do Pânico nesta quarta-feira (8)

O crítico musical Regis Tadeu é fã de muitos artistas, mas, entre eles, não estão aqueles que fazem o que ele chama de “música popularesca”. Em entrevista ao Pânico nesta quarta-feira (8), o jornalista atacou a música consumida pela massa no Brasil. “A música popularesca é feita para retardados. Os arranjos são muito simples, as letras são ginasiais. É tudo mastigadinho para você não pensar”, afirmou.

Um dos alvos de Regis foi o k-pop. “O k-pop é para débil mental”, disse o crítico. Ele explicou que o ritmo do momento é fruto de uma indústria que pensa e planeja cada passo dos artistas. “As bandas de k-pop são salsichas musicais, cada banda é embalada em pacotinhos e colocada no mercado. Nesse universo tem dezenas e dezenas de pessoas iguais”, explicou.

O jornalista destacou que o lobby do k-pop é tão forte que o governo da Coreia do Sul está investindo para que o BTS, a maior banda do gênero, tenha sucesso no Ocidente. “Tudo isso faz parte de uma estratégia para popularizar as bandas coreanas no mercado americano, que é dominado em grande parte pelo mercado latino”, disse.

Apesar de parecer ranzinza, Regis Tadeu também reconhece que tem muita coisa boa no pop. O crítico admitiu que é fã do primeiro disco das Spice Girls e afirmou que Lady Gaga evoluiu muito na carreira. “Ela começou muito mal, musicalmente falando, e sacou que ia chamar a atenção pela estética”, comentou, lembrando que a cantora usava looks extravagantes no começo da carreira. “Quando ela gravou o disco com o Tony Bennett [“Cheek to Cheek”, de 2014], a cabeça dela virou. […] Aquilio mostrou que ela não precisa apelar para o choque estético.”

Anitta, Ludmilla e Los Hermanos

Falando dos artistas brasileiros, Regis Tadeu negou que Anitta seja a maior expoente do país no exterior. Para ele, bandas de rock como Sepultura e Krisiun têm uma carreira internacional mais sólida e importante que a carioca. “O sucesso internacional da Anitta é uma mentira, uma cascata que fica sendo bombada pela assessoria de imprensa”, disse. “Eu ouço há dois anos que a Anitta vai deslanchar.”

O crítico também comentou sobre outra cantora que surgiu na mesma época que Anitta: Ludmilla. Para ele, a funkeira vai ser esquecida rapidamente. “Ninguém vai lembrar da Ludmilla, vai cair no esquecimento”, antecipou.

Mas não foi só o pop que ficou na mira de Regis Tadeu. O jornalista vê o Los Hermanos como uma das piores coisas da música brasileira. “O Los Hermanos fez um tremendo mal para a música brasileira, glorificou o fato de que para ter uma carreira você não precisa cantar e tocar bem”, atacou. “Quem foi ao show do Los Hermanos e não tem um alpiste na cabeça, sabe que eles são desafinados. Daqui a 100 anos, vai ter o mesmo efeito destrutivo da peste bubônica.”