"Ser punk é ter mente aberta", diz Supla sobre estereótipo

  • Por Jovem Pan
  • 08/08/2014 14h17
Jovem Pan

Com 30 anos de carreira, Supla não se enquadra no padrão de rockeiros tradicionais brasileiros e clama que não canta apenas para sustentar aparências. “Punk rock está na sua cabeça. Essa história de que tem que usar uma roupa específica é errada. Ser punk é ter mente aberta. Se fosse diferente, eu não estaria aqui e poderia só querer ficar famoso.”

Em entrevista ao Pânico, o cantor está lançando o clipe da música “Melodies From Hell”, do Brothers of Brazil, projeto que assina com o irmão, João Suplicy. Nesta sexta-feira (8), o Brothers of Brazil se apresenta no Sesc Santo Amaro, às 21h. Recentemente, eles têm se apresentado no Brasil e também no exterior.“Ser punk é ter mente aberta”, diz Supla sobre manter o visual

O clipe foi dirigido por Robert Matozzo. Durante sua passagem pelo interior dos Estados Unidos, Supla conheceu um espaço que havia sido sede de uma das batalhas da Guerra de Independência do país, na região de Tennessee, e o escolheu para ambientar seu clipe. Ao contrário de lugares como Nova York e Los Angeles, Supla afirmou que conheceu os Estados Unidos de verdade, o centro do país, mais abertos a novos sons.

Supla também se prepara para lançar um novo álbum do Brothers of Brazil, gravado em Nashville, capital do estado de Tennessee, e que será lançado em novembro. O clipe de “Melodies From Hell”, que pode ser acessado no YouTube, também foi gravado em Nashville.

As influências do cantor também estão no figurino, mas nem sempre foi fácil assumir sua identidade visual. Supla sofria bullying por parte dos colegas da faculdade. “Quando eu pintei o cabelo, em 1985, eu ia para a PUC e o pessoal todo me xingava. Parei no terceiro ano da faculdade.”

Supla contou que seu visual fica por conta do cabeleireiro Celso Kamura e que, para mantê-lo, fica sem lavar o cabelo por três ou quatro dias. “Faço o cabelo, fico uns três ou quatro dias sem lavar, depois refaço. Já fiquei um mês sem lavar.”

A experiência durante o tempo que morou nos Estados Unidos mais a bagagem do irmão contribuíram para a criação do Brothers of Brazil. “Quando éramos crianças, João tocava guitarra muito bem. Ele sempre amou rock’n’roll, Jimi Hendrix, Beatles e estudou música. Depois eu fui para os EUA viver minha vida. Quando voltei, considerei o tempo que morei lá fora mais a bagagem que ele tinha e formamos o grupo.”

Com contrato assinado com uma gravadora dos Estados Unidos a dupla não parou mais. “Fizemos shows na Inglaterra e nos Estados Unidos. E eles gostam porque temos boas letras. Também quis voltar para Brasil e marcar território aqui.”