Sucessor de Tarcísio na Infraestrutura, Marcelo Sampaio prevê baixa das passagens com leilão dos aeroportos

Em entrevista ao Pânico, ministro apontou para ‘democratização do acesso’ com o crescimento de viagens aéreas interestaduais entre cidades interioranas e grandes capitais

  • Por Jovem Pan
  • 01/07/2022 17h31 - Atualizado em 01/07/2022 17h33
Reprodução/Jovem Pan News Marcelo Sampaio Marcelo Sampaio no programa Pânico desta sexta-feira, 1

O programa Pânico recebeu nesta sexta-feira, 1, o ministro da Infraestrutura Marcelo Sampaio. Sucessor de Tarcísio de Freitas no cargo, ele mostrou expectativas para os resultados do leilões dos aeroportos na vida dos passageiros. “A aviação a gente divide em duas partes: companhias aéreas e infraestrutura. Quando fala dos leilões dos aeroportos, é infraestrutura. Diminui o custo para quem está operando, e nossa expectativa é que se reduza também o custo para o cobrado para o passageiro. É o governo que mais transferiu aeroportos para o setor privado. Isso vai aumentar o investimento”, disse. Para ele, os mais beneficiados com uma crescente onda de viagens interestaduais serão aeroportos de cidades interioranas. “Altamira, Montes Claros, Uberaba e Uberlândia não recebem Gol, Latam… Não tem infraestrutura instalada lá. Não tem acesso a um voo. O afegão médio vai começar a ter a democratização do acesso à infraestrutura dos aeroportos”

Em entrevista, o ministro também exaltou o potencial do setor ferroviário no Brasil e apontou um cenário positivo para mudanças nos contrastes entre ferrovias no Centro-Oeste e Sudeste do país. “A gente renovou contratos, trazendo investimentos para agora. O Brasil tem ferrovias de primeiro mundo no interior do país. Em Mato Grosso, Goiás… Quando chega aqui, as ferrovias são da época do Império. Superapertadas, [o trem] não consegue desenvolver velocidade. Não tem como”, desabafou. Sampaio ainda criticou as gestões de governos anteriores na infraestrutura do transporte ferroviário nacional. “Não foi feito investimentos. Não se buscou, de forma criativa, fomentar o setor ferroviário.”

Confira na íntegra a entrevista com Marcelo Sampaio: