“Tem uma crise porque os ídolos estão ficando velhos e os novos não empolgam”, acredita Mario Yamasaki, árbitro de MMA

  • Por Jovem Pan
  • 06/02/2015 13h35
Amanda Garcia/Jovem Pan

Árbitro do UFC há 17 anos, Mario Yamasaki acredita que o país tem que produzir mais mais lutadores de qualidade para se manter nas competições internacionais.“No Brasil tem uma crise porque os ídolos estão ficando velhos e os novos não empolgam”, disse ao comparar a lacuna de ídolo deixada por Ayrton Senna na Fórmula 1. A declaração foi dada durante entrevista no programa Pânico desta sexta-feira (06).

Yamasaki atuou em uma luta polêmica entre John Jones e outro atleta, que sofreu com a mão do rival no rosto. “Várias lutas depois que eu revi, vi que poderia fazer diferente. Um exemplo foi essa do dedo do olho, mas depois fui ver e pensei que deveria ter parado”, disse. Ele relatou que também lida diferentes tipos de pressões para fazer um trabalho com excelência e que não leva bronca do presidente do UFC, Dana White, mas que sofre com possíveis erros por conta da repercussão do público e da mídia.

O juiz também contestou a dificuldade de trabalhar em lutas com competidores brasileiros, mas acredita que em breve isso será impossível não só para ele, mas para todos os juízes, a exemplo de outras modalidades olímpicas. “Acho que a evolução (do UFC) chegará a este ponto”, comentou.

A crítica se dá porque juízes norte-americanos não enfrentam essa dificuldade. “Nos Estados Unidos, os americanos arbitram americanos, porque não posso arbitrar brasileiros?”, questionou o profissional, também faixa preta em judô e jiu-jitsu.