“Vou ter um AVC se tiver que fazer bordão”, diz Marcelo Médici

  • Por Jovem Pan
  • 07/08/2015 14h07
Bruna Piva/Jovem Pan<p>Marcelo Médici participou do Pânico nesta sexta-feira</p>

O ator Marcelo Médici, em cartaz com a peça ‘Cada Dois Com Seus Pobrema’, ficou conhecido por seus trabalhos com comédia e, inclusive, é considerado um humorista, apesar de não por ele mesmo. Nesta sexta-feira (7), durante sua participação do Pânico, ele revelou que não é arrogância ou falsa modéstia, mas não é comediante. “Eu queria ser humorista, mas não me considero. Eu sou um ator que faz comédia. Para mim, comediante é gênio, Golias, Tiririca. Então eu não me considero de verdade assim”, desabafou Médici.

Apesar de ter personagens famosos, como o motoboy Sanderson, ele explica que seu talento não é como imitador (ele inclusive cita Tom Cavalcanti como um profissional bom em imitação). “Não me considero um bom imitador, de verdade. Eu sou bem em fazer tipos”. Ainda sobre o Sanderson, ele fala como lida com o sucesso do personagem: “é um personagem que eu não posso me apropriar disso, porque é uma questão cultual de linguagem. Aí eu não fico bravo com isso”.

Entretanto, ele contou que já passou por problemas em relação a apropriações do personagem. No programa ‘A Praça É Nossa’, por exemplo, ele interpretou um personagem chamado Zoinho e, pouco tempo depois, apareceu um que falava o mesmo texto, mas se chamava Zoião. Aí ele achou demais.

“O que eu fiquei bravo também foi uma vez na ‘Zorra Total’ que colocaram um corintiano, Sanderson, que falava o meu texto da peça. Você pode fazer mano, mas não usar meu texto, porque aí não dá. Aí eu falei e eles foram super legais e mudaram”, lembrou o ator.

Sobre seus trabalhos na televisão, ele ainda revelou que gosta de fazer tanto televisão quanto teatro, mas tem muitas diferenças. “Existe realmente uma estrutura. Você vai fazer uma novela, você não tem a mesma liberdade que em uma peça sua”, comentou Marcelo. “Novela também tem isso. Novela que dá certo é bom para todo mundo e quando dá errado eles começam a ver o que da certo. E comédia é meio batedora de carteira”.

“Eu faço novela porque é outro segmento da profissão”, acrescentou Médici, que também destaca a importância de explorar todos os campos de atuação das artes dramáticas. “Eu acho meio babaca o ator que fala que não gosta de novela e o que não gosta de teatro. Para mim, ator de verdade tem que fazer teatro. Mas não dá essa grana que as pessoas pensam. Não é chorando miséria, mas não dá”.

Ainda assim, ele destacou que tem coisas que ele não faz: “eu não gosto de bordão. Uma coisa é gênio, mas eu tenho muito problema com isso. Eu morro se tiver que olhar para a câmera e fazer isso. Eu aceito aqueles caras fazendo isso, como o Chico Anysio, mas eu vou ter um AVC se tiver que fazer bordão”.