"Vou voltar. Eu fui mordida pelo bicho da TV aberta", diz Adriane Galisteu

  • Por Jovem Pan
  • 02/07/2014 14h17
Nathália Rodrigues/ Jovem Pan

Adriane Galisteu diz que ficou apavorada em jogo contra o Chile e espera viEnvolvida em mais projetos empresariais do que com a televisão, a apresentadora Adriane Galisteu esteve no Pânico para contar sobre seus produtos e falar da vontade de voltar para a televisão aberta. Atualmente apresentando o programa Paixões Perigosas na Discovery Channel, ela diz que tem saudades do formato do programa É Show, que foi ao ar até 2003.

“As pessoas ainda falam do É Show na rua, e acabou há 11 anos, o programa ia super bem. Gostaria de voltar com o formato duas vezes por semana, com plateia, ao vivo, entretenimento, eu acho que tá fazendo falta na televisão esse estilo”, conta Adriane, que disse não saber para qual canal da rede aberta poderia ir no futuro.

Galisteu diz que o motivo de querer voltar para a televisão aberta é sentir falta do clima divertido dos programas. “Eu sempre me diverti trabalhando e ainda me divirto, gosto do que faço, por isso vou voltar. Eu fui mordida pelo bicho da TV aberta”, explica.

O foco do seu trabalho nos últimos meses tem sido o lançamento de produtos como a nova linha de calça jeans. “É o primeiro trabalho que fiz realmente sozinha. Meu marido ajudou, mas não tem nada a ver com a empresa dele. Estou trabalhando na raça”, descreve. A linha, que por enquanto tem apenas um modelo, é vendida apenas pelo site americanas.com, mas ela promete que a calça veste bem em qualquer mulher. “Pensei em fazer uma coisa mais baratinha, que todo mundo possa usar. Custa menos de R$200”, conta.

O perfume da marca Jequiti, de Silvio Santos, também não é caro, custa apenas R$70. “O perfume é feito em Nova Iorque, no mesmo lugar que faz os outros principais perfumes do mundo. Pra que pagar mais caro?”, argumenta a modelo. Para escolher a fragrância do primeiro perfume, Adriane foi aos Estado Unidos participar de aulas sobre o assunto. O segundo perfume da linha foi escolhido pela marca e aprovado por ela.

Nos intervalos entre gravações e os compromissos de empresária, ela gosta de visitar a mãe e passear na Lapa, bairro onde nasceu e que ainda mantém o quarto da adolescência. Todas as cartas e presentes enviados por fãs são guardados nesse quarto. “Quando eu estou super chateada ou preocupada, eu vou dar um passeio, lembrar da minha história lá no bairro”.

Pelo menos o casamento não é um dos motivos de preocupação da apresentadora, que diz que a relação com Alexandre Iódice não poderia ser melhor. Ela conta que os outros homens com quem conviveu não entendiam a sua agenda corrida. “No começo todo mundo acha super legal o meu trabalho, mas depois quando percebe que não tem agenda, não gosta muito. Com Justus no começo ele falava ‘tudo bem’, depois de três meses ele falava ‘Quanto é pra você ir? eu te pago pra ficar’. Já Iódice algumas vezes a acompanha nos eventos e outras prefere ficar em casa com o pequeno Vittorio. “Ele gosta do que eu faço, ele é um cara que me põe pra cima”, resume ela.

Galisteu desmentiu os boatos sobre a anorexia e disse que gosta de se alimentar bem e fazer exercícios. A modelo corre entre seis e oito quilômetros todos os dias, às vezes na madrugada. “Eu não vomito, não sou anoréxica, mas de vez em quando eu gosto de junk food, mas eu não posso comer isso sempre, até porque eu tenho 41 anos, não posso comer que quero”. 

Acompanhe na íntegra o áudio.