Para senador, base aliada quer tumultuar a Comissão: “não vamos entrar no jogo”

  • Por Jovem Pan
  • 26/04/2016 09h43
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Em pronunciamento, senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). Foto: Waldemir Barreto/Agência SenadoRonaldo Caiado - Agência Senado

 Para o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), membros da base aliada do governo farão de tudo para atrasar a comissão especial do impeachment no Senado: “As questões de ordem apresentadas são infundadas. Estão elaborando questões de ordem para procrastinar, tumultuar a sessão. Mas não vamos entrar nesse jogo”.

Em entrevista à Jovem Pan, Caiado comenta o pedido do PT de substituir o relator da comissão, Antonio Anastasia: “Já tem acordão do STF, já tem as regras para saber se um parlamentar pode ou não ser membro da comissão, então isso está salvaguardado. Querem barrar cada vez mais, polemizar. Falaram que vão convidar advogados de outros países para acompanhar. Gostam de desqualificar o Brasil internacionalmente”.

Ao ser questionado se assumiria o Ministério da Agricultura em um eventual governo Temer, Caiado afirma que seu trabalho é mais bem aproveitado no Senado: “Entendemos, nesse momento, que o que é importante para a população seria o presidente Temer fazer cortes substantivos. Se ele fizer algo como cortar 13 ministérios e ficar com 20, e a partir daí mostrar que tem uma estrutura de corte de gasto, seriam os primeiros impactos para dizer que vão enxugar a máquina. (…) Neste momento, objetivamente, me sinto mais útil dentro do Senado, debatendo esses temas que são importantes para o Brasil”.