PF conclui inquérito sobre fraudes em obras do BRT de BH, que caiu em 2014

  • Por Jovem Pan
  • 05/01/2017 08h35
Viaduto Batalha dos Guararapes - rep

A Polícia Federal indiciou 18 pessoas por fraudes em contratos para a construção do BRT de Belo Horizonte. As irregularidades nas obras são apontadas como causas para o desabamento do Viaduto Batalha dos Guararapes, que matou duas pessoas, em julho de 2014.

As investigações tiveram início em agosto de 2013, antes da tragédia, após uma auditoria realizada pela Controladoria Geral da União.

O relatório apontou falhas na elaboração das planilhas orçamentárias e superfaturamento no pagamento de diversos serviços.

As obras envolveram recursos da Caixa Econômica Federal e a estimativa é de que as fraudes tenham gerado um prejuízo de R$ 36 milhões.

A delegada Márcia Franco, da Polícia Federal, ressaltou que todos os contratos envolvendo a construção do BRT na capital mineira foram irregulares. “A gente apurou irregularidades em todos os contratos celebrados desde o início das obras até sua finalização. Houve financiamento pela Caixa sendo que não havia elementos mínimos de um projeto básico adequado”, disse.

A delegada Márcia Franco destacou que as obras foram indevidamente aceleradas, para que fossem concluídas antes da Copa do Mundo.

Entre os indiciados, estão servidores da Superintendência de Desenvolvimento da capital mineira e profissionais das empresas responsáveis pela execução do BRT, alem dos ex-secretários municipais, de Políticas Urbanas e de Obras de Belo Horizonte.

Não houve pedidos de prisão. Os indiciados são suspeitos de crime financeiro, superfaturamento e peculato.

O inquérito, agora, será encaminhado ao Ministério Público Federal, que decidirá se oferece denúncia contra os acusados ou se pede novas apurações.

*Informações do repórter Vitor Brown