Polícia prende motorista que atropelou ciclista na Imigrantes

  • Por Jovem Pan
  • 07/07/2016 09h51
SP - ATROPELAMENTO/CICLISTA/PRISÃO - GERAL - A Polícia Civil prendeu Sérgio Meliunas, de 45 anos, que é suspeito de atropelar e matar o vigia noturno Dorgival Francisco Sousa, na noite de domingo (3), na rodovia Imigrantes, em São Paulo. Sérgio Meliunas é motorista de ônibus e foi localizado pela polícia graças a identificação do veículo por câmeras de segurança, segundo o delegado assistente Ricardo Eduardo Guilherme, 4º DP de Diadema (Grande SP), onde o caso foi registrado. O Vectra prata que atropelou Dorgival também foi apreendido. A prisão ocorreu na noite desta quarta-feira, 06. 06/07/2016 - Foto: MARCELO GONCALVES/SIGMAPRESS/ESTADÃO CONTEÚDOSérgio Meliunas

O motorista suspeito de ter atropelado e matado o vigia Dorgival Francisco de Souza, de 59 anos, na Rodovia dos Imigrantes, em Diadema no ultimo domingo (03) foi preso pela Polícia Civil de Diadema.

Sérgio Meliunas, de 45 anos, foi encontrado na casa dele com o veículo em São Bernardo do Campo, após os policiais percorrerem as ruas da cidade refazendo o trajeto de fuga do atropelador.

De acordo com a polícia, o homem, que trabalha como motorista de ônibus, admitiu o atropelamento e permanece detido no 4° Distrito Policial, em Diadema.

A Secretaria da Segurança Pública disse que o caso foi registrado como homicídio culposo, fuga de local do acidente, destruição, subtração ou ocultação de cadáver.

O ciclista, que era vigilante em uma transportadora, estava indo para o trabalho quando foi atingido no acostamento da via. Ele teve seu braço decepado e morreu na hora. O braço foi encontrado a um quilômetro e meio de distância do local do acidente.

O corpo do vigilante noturno foi enterrado no fim da manhã desta terça-feira (05) no Cemitério Municipal de Diadema.

Uma ocorrência parecida aconteceu em março de 2013 quando um motorista atropelou e decepou o braço de um jovem na avenida Paulista. A vítima sobreviveu; o estudante de psicologia Alex Siwek foi condenado a seis anos de prisão, mas a pena foi reduzida para serviços comunitários.

*Informações do repórter Felipe Palma