População atingida por enchentes em SP ainda busca ajuda para reconstruir moradias

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2016 11h34
O Governador de São Paulo visitou áreas de enchentes na região de Mairiporã, Franco da Rocha e Francisco Morato. Na foto: - Alagamento na SP-23 .11/03/2016 - Mairiporã - Foto: Eduardo Saraiva/A2IMGAlagamento em pista na região de Mairiporã

População atingida pelas enchentes na região metropolitana de São Paulo ainda buscam ajuda para reconstrução de suas moradias.

O temporal do dia 9 de março matou 25 pessoas e deixou centenas de desabrigados em pelo menos 30 cidades paulistas. Franco da Rocha, Francisco Morato e Mairiporã ficaram em pior situação porque acumularam, em dois dias, 40%o da chuva prevista para março.

O prefeito de Franco da Rocha, Kiko Seleguim, lamentou que duas pessoas morreram no município, que teve alagadas a área comercial e a periferia: “evidentemente que ainda tem um prejuízo grande com alguns escorregamentos que não resultaram em mortes. Mas ruas ficaram prejudicadas, casas que ainda estão interditadas. No nosso cálculo, a cidade teve um prejuízo em torno de R$ 10 milhões”.

O governo do Estado considerou que a chuva do início de março na região metropolitana de São Paulo foi a maior dos últimos 11 anos.

O secretário de Itapevi, Eduardo Cruz, ressaltou que as famílias contam com a liberação de verbas federais para retomarem suas vidas: “todos já retornaram para suas residências. Agora é só recuperar aquilo que foi perdido”.

Somente em Francisco Morato, onze pessoas morreram soterradas em deslizamentos de terra. A Defesa Civil Estadual avalia que a dificuldade está em convencer as famílias sobre a necessidade de deixar as áreas de risco, em períodos sem chuvas.

Além da Grande São Paulo, os temporais causaram estragos em vários municípios da Região Metropolitana de Campinas. E na Região Administrativa de Sorocaba, os rios também saíram da calha e invadiram centenas de imóveis.