População reclama do atendimento da Prefeitura sobre combate ao Aedes aegypti

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2016 15h00
SP tem o maior surto de dengue da história. Acima

 A População sofre com os desencontros e a falta de informação por parte da prefeitura de São Paulo em relação ao combate ao Aedes aegypti. A moradora do bairro de Pirituba, zona oeste da capital paulista, Talita Szabo ressalta que foi picada por um mosquito e não consegue uma informação precisa junto aos órgãos municipais: “Ao visualizar o mosquito eu vi que ele era manchado e constatei que era o mosquito da dengue. Eu até tirei foto e tentei o dia inteiro ligar na prefeitura, no centro de zoonoses, no 156, em todos os telefones que constam na página de combate a dengue, mas a informação e a mesma e no 156 foi a pior porque eu deveria ter o número da casa onde tem o mosquito para fazer a checagem. É um absurdo porque eu fui picada por um mosquito dentro da minha casa então é evidente que existe um foco peto da meinha residência. Mas só fazem a denúncia se souber onde é o foco”.

A moradora aponta que não há um trabalho preventivo por parte da prefeitura: “Prevenção zero, todos os lugares que eu liguei, e falei com seis pessoas diferentes, que disseram a mesma coisa, que infelizmente tem que esperar e que eles não podem fazer nada. Eu tenho que ter ou o número da casa e o que eu vi para denunciar um possível foco, ou tenho que ficar doente para entrar em um índice que, se for alto, eles visitam minha residência e o entorno dela”.

Talita Szabo está desapontada e decepcionada com a prefeitura. “É uma vergonha, são completamente despreparados e não há respeito, atendimento adequado e uma ação efetiva para combater toda essa epidemia que nós estamos inseridos. Eu não tenho como saber onde esta o foco do mosquito para denunciar. Não são preparados e todos sendo pagos com nosso dinheiro, mas eles não podem fazer nada. Infelizmente é bem triste a nossa situação”.

Os moradores da região de Pirituba clamam por uma ação mais efetiva da prefeitura no combate ao Aedes aegypti.

Informações de Daniel Lian