Por morte do marido, Elize Matsunaga é condenada a 19 anos e 11 meses de prisão

  • Por Jovem Pan
  • 05/12/2016 06h11
SP - CASO YOKI/JULGAMENTO/ROTINA - GERAL - Elize Matsunaga, acusada de matar e esquartejar o marido Marcos Kitano Matsunaga, durante seu julgamento no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste da capital paulista, neste domingo, 4. 04/12/2016 - Foto: MARCELO GONCALVES/SIGMAPRESS/ESTADÃO CONTEÚDOElize Matsunaga durante julgamento - AE

Elize Matsunaga, acusada de matar e esquartejar o marido Marcos Matsunaga, herdeiro do grupo Yoki, é condenada em regime fechado a 19 anos, 11 meses e 1 dia de prisão.

A pena é uma somatória pelos crimes de homicídio qualificado, sem chances de defesa da vítima, e por destruição e ocultação de cadáver.

Após oito dias de julgamento no Tribunal do Juri, no Fórum Criminal da Barra Funda, um dos mais longos da Justiça de São Paulo, a sentença foi proferida pelo juiz Adilson Simoni a 1h50 da madrugada desta segunda-feira (05).

Elize ouviu a sentença em pé, com as mãos para trás, vestida com uma camiseta branca, calça beje e chinelo de dedos.

Os sete jurados desconsideraram duas qualificadoras solicitadas pela promotoria: “motivo torpe” (vingança e dinheiro) e “meio cruel” (vítima viva quando foi esquartejada).

Defensor Público que atuou no caso, José Carlos Cosenzo, se disse insatisfeito com a pena imposta a Elize, ré confessa do crime. “Mas eu não estou satisfeito. A meu ver, a pena deveria ser mais ou menos em um patamar entre 19 e 25 anos, eu queria nesse teto”, destacou.

A defesa de Elize também não aprovou a pena imposta pelo Juri, afirmando que o a sentença do juiz não traduziu a decisão dos jurados. “A sensação é que acaba conseguindo um bom fundamento, afastar duas qualificadoras e, ao mesmo tempo, o juiz acaba substituindo a decisão dos jurados, elevando por demais a pena”, desabafou.

Elize já cumpriu quatro anos e meio de prisão. Ela volta ainda nesta segunda-feira para o presídio de Tremembé, no Vale do Paraíba, onde está presa desde 4 de junho de 2012.

*Informações do repórter Felipe Palma