Posto de saúde da USP deixa de atender pacientes após demissão de funcionária

  • Por Jovem Pan
  • 03/08/2016 08h33
médico

Presidente da Sociedade Brasileira de Dematologia Regional do Estado, classifica como preoucupante a falta de serviço médico no Centro de Atendimento da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

O atendimento aos pacientes com AIDS, DSTs e lepra, deixou de ser feito após uma funcionária não concursada ter sido demitida.

O médico Reinaldo Tovo, se disse preocupado com o fechamento do posto que atendia aproximadamente mil pacientes por mês: “é um assunto muito importante para ficar de fora do atendimento. Além disso, a faculdade é responsável pela formação de muitos profissionais que fazem estágio lá”.

A USP, desde janeiro deste ano, determinou que as contratações para o setor da saúde deveriam ser feitas mediante concurso público, o que não ocorre há mais de 10 anos na Universidade.

Assim, a demissão de uma funcionária não concursada acabou com o funcionamento do posto, como explicou Luis Jorge Fagundes, responsável pela área de dermatologia do Centro de Saúde Escola Geraldo de Paula Souza. “Existiam alguns funcionários que não estavam em situação regular com relação a contratação. Obtinha-se a verba para auxiliar nos honorários destes funcionários o que o centro de saúde conseguia produzir de assistência”, disse.

Os pacientes que eram atendidos no local, devem ser encaminhar a outros postos de saúde da cidade. Para reabrir o Centro de Atendimento da Faculdade de Saúde Pública da USP, são necessários R$ 10 mil mensais.

*Informações do repórter Felipe Palma