Prefeitura e empresas iniciam discussão sobre licitação do transporte em SP

  • Por Jovem Pan
  • 02/06/2017 07h58

Faixas exclusivas serão ativadas quando houver algum tipo de interrupção no trânsito

Ônibus na Avenida Paulista - SPTrans

Secretário Municipal de Transportes, Sérgio Avelleda, garante que Taxa Interna de Retorno das empresas de ônibus, que hoje é de cerca de 18%, será menor do que a praticada pelos contratos atuais em vigor.

A taxa não é o lucro obtido, mas a garantia dos valores de um investimento com os respectivos retornos futuros. A medida serve para que as empresas não recebam um valor maior do que investiram de fato.

“Nós queremos que a remuneração tenha que remunerar os custos incorridos, mas quer que uma margem da remuneração seja dependente de alcance de índices de qualidade”, disse o secretário.

O presidente do SPUrbanuss, Francisco Christovam, disse que os empresários aprovam esta formula de remuneração, desde que haja critérios técnicos e objetivos para mensurar a qualidade do atendimento: “duas questões nos chamaram mais a atenção, a da remuneração pelo custo acrescido de fatores de desempenho e dividir o custo do resultado financeiro”.

Após a licitação, as empresas devem operar na cidade por meio dos novos contratos por 20 anos.

A Secretaria Municipal de Transportes ainda estuda passar os encargos da manutenção do viário dos corredores e da rede de trólebus para as empresas operadoras

*Informações do repórter Felipe Palma