Presidente da CSN espera diminuição de juros de novo governo

  • Por Jovem Pan
  • 05/05/2016 10h43
Brasil, São Paulo, SP. 20/07/2013. Benjamin Steinbruch durante espetáculo da Orquestra Filarmônica de Israel com regência do maestro Zubin Mehta na Sala São Paulo. - Crédito:JUAN GUERRA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:185341Benjamin Steinbruch

 O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch, falou à Jovem Pan que, diante da crise, é impensável considerar um aumento de impostos: “Com a economia em recessão não dá para fazer ajustes nenhum ou aumentar a carga tributária. Trabalhamos para pagar juros e impostos. Você acorda cedo para trabalhar para saber que está indo para trás”.

Steinbruch elogiou a campanha realizada pela Fiesp contra o retorno da CPMF, e defende o fortalecimento da indústria no País: “Tem que fortalecer o ministério do desenvolvimento, fortalecer a indústria, o emprego. (…) Um país continental como Brasil, não dá para deixar 10, 12, 13 milhões de pessoas desempregadas”.

Sobre a expetativa da mudança de governo, Steinbruch espera o combate à recessão e aos juros altos: “Precisa se adaptar uma realidade nacional e mundial, porque esperar que um país se desenvolva com juros de 14,25% não existe”.