Presidente da UTC diz a Moro que pagava propina porque era “instado a colaborar”

  • Por Jovem Pan
  • 09/05/2017 08h13
A CPI da Petrobras realiza audiência pública para ouvir o empresário Ricardo Ribeiro Pessoa, da UTC (Wilson Dias/Agência Brasil)Ricardo Pessoa

O presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, disse em depoimento ao juiz Sérgio Moro, na Operação Lava Jato que pagava propinas porque era instado a colaborar.

Pessoa, que depôs como testemunha de acusação ao ex-presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, afirmou que nunca tratou deste assunto diretamente com o petista, mas eram sempre cobrados: “se pagava propina porque éramos instados a colaborar”.

O delator elencou ainda os principais destinatários das propinas: “pagamos tanto à Diretoria de Serviço quanto à de Abastecimento. A Pedro Barusco e seus intermediários e ao João Vaccari Neto, por solicitação do diretor Rento Duque”.

Já Marcos Berti, engenheiro e diretor comercial da Setal, expôs o funcionamento do cartel entre as empreiteiras. “Existia uma lista de projetos da Petrobras, e nestas reuniões a gente discutia qual a empresa seria eleita para ganhar a concorrência. Fazia uma divisão de obras. No início tinham nove empresas, passou para 15 e depois para 16”, disse.

O juiz Sérgio Moro ainda vai ouvir diversas testemunhas de acusação na segunda ação penal contra o ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva.

*Informações do repórter Daniel Lian