Procon realizará plantão online para reclamações da Black Friday

  • Por Jovem Pan
  • 26/11/2015 14h59
Computador

 O Procon vai monitorar vendas da Black Friday com plantão online para receber denúncias sobre desconto falso, propaganda enganosa e falha nos sites.

Quem encontrar um desses problemas deve usar a hashtag #ProconSPdeolhoBlackFriday nas redes sociais. Por conta da crise, comércio e indústria têm mais de R$ 4 bilhões estocados e há expectativa de um “Natal antecipado”.

Em entrevista a Renata Perobelli, a assessora técnica do Procon de São Paulo, Fátima Lemos, reforça que o consumidor deve documentar o processo: “Antes do consumidor concluir a compra a página cai, fica intermitente, então toda essas dificuldades, com a internet e fotos do celular, ele poderá documentar com facilidade os problemas e nos encaminhar, tanto por telefone como também na página do Procon”. O Procon vai procurar solucionar os problemas, em tempo real, no contato direto com as empresas.

Para o especialista em consumo digital, Maurício Vargas, o maior risco da Black Friday é a venda terceirizada nos grandes sites: “Locam a vitrine e em alguns casos até a entrega. Tem que tomar cuidado. Dentro desses sites nós sabemos que tem alguns que não são de boa índole”.

Antes de efetuar a compra, consulte a lista de sites não recomendados pelo Procon e proteja seus dados evitando usar computadores de terceiros.

O advogado Arthur Rollo, especialista em Direito do Consumidor e consultor da Jovem Pan, orienta os compradores na Black Friday: Comprar por impulso não é uma boa medida, porque o cliente acaba comprando coisas desnecessárias e se endividando no ano seguinte. Toda vez que o consumidor comprar algo fora do estabelecimento comercial, ele tem 7 dias para se arrepender, que contam não da data da compra, mas sim da efetiva entrega do produto”.

O consumidor deve ficar atento a ofertas extremamente vantajosas e as mais procuradas como smartphones e similares.

Ao perceber desconto falso, propaganda enganosa e falhas nos sites, envie o “print” ou o link da página às redes sociais do Procon.