Proposta que altera acordo de leniência enterraria Lava Jato, diz procurador

  • Por Jovem Pan
  • 10/11/2016 06h27
CURITIBA, PR, 04.03.2016: OPERAÇÃO-LAVA JATO - Carlos Fernando dos Santos Lima - Coletiva de imprensa na Polícia Federal de Curitiba-PR, sobre a 24ª fase da Lava Jato denominada Aletheia, deflagrada na manhã desta sexta-feira (4) pela Polícia Federal, que tem como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Participam da coletiva o Superintendente da Polícia Federal no Paraná Rosalvo Ferreira Franco, delegado da Operação Lava Jato Igor Romário de Paula e O auditor da Receita Federal Roberto Leonel de Oliveira Lima. (Foto: Heuler Andrey/DiaEsportivo/Folhapress)Carlos Fernando dos Santos Lima

Proposta que altera acordo de leniência enterra a Operação Lava Jato. Os promotores da força-tarefa sustentam que o projeto que muda as regras pode prejudicar o andamento da operação.

Em Curitiba, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima ressaltou que a Câmara poderá acabar com o instrumento que é uma espécie de delação premiada voltada a empresas, para obter informações de companhias acusadas de corrupção, em troca de redução de punições.

“Nós fomos surpreendidos na data de ontem com a notícia de que o projeto de lei estaria para ser dado caráter de urgência na votação e também por substitutivo que anistiaria todos os crimes que empreiteiras que celebrassem acordo tivessem cometido. Isso significaria que o Executivo poderia fazer acordo sem qualquer benefício às investigações e enterrar todos os fatos criminosos que temos levantado e apurado, inclusive aqueles já sentenciados”, explicou.

A votação do requerimento de urgência para este projeto ocorreria nesta tarde na Câmara dos Deputados, em Brasília. Porém, ela foi adiada.

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que não vai colocar o tema em pauta nesta quarta.

*Informações do repórter Marcelo Mattos